[div coluna1]Spectreman
Uchuu Enjin Gori – Macaco Espacial Gori – Episódios 1 a 20
Uchuu Enjin Gori x Spectroman – Episódios 21 a 39
Spectroman – Episódios 40 a 63
Produção: P. Productions, 1971
Episódios: 63 p /tv
Criação: Souji Ushio
Exibição no Japão: Tv Fuji (02/01/1971~25/03/1972)
Exibição no Brasil: Record – TVS/SBT

Última Atualização: 27/10/2007

Por Larc Yasha

“Planeta: Terra. Cidade: Tóquio. Como todas as metrópoles do planeta, Tóquio se acha hoje em desvantagem em sua luta contra o maior inimigo do homem: a poluição. E apesar dos esforços de todo o mundo, pode chegar o dia em que a terra, o ar e as águas venham a se tornar letais para toda e qualquer forma de vida. Quem poderá intervir?”.

Spectreman!
Tudo começaria quando a P-Productions (que anos antes havia lançado o primeiro seriado colorido da tevê japonesa: Vingadores do Espaço – Magma Taishi) resolveu voltar ao mercado de séries e fez uma vaquinha pra produzir um tokusatsu pra bater de frente com o Ultra que estava fazendo a cabeça da japaiada: Hideki Goh em O Regresso Ultraman (posteriormente Ultraman Jack).

Com um orçamento apertadíssimo (acho que até a vendinha de doces da sua esquina tem mais dinheiro hoje que a ‘P’ tinha na época XD) os diretores Koichi Ishiguro e Keinosuke Tsuchiya começaram a rodar a saga criada pela mente de um homem que provavelmente era amante da natureza ou ativista do Greenpeace: Ushio Shoji.

Antes de Spectreman (Spectroman no original) ser como o conhecemos hoje, a série teve um piloto bizarro estrelado pelo ator Jiro Dan (o Hideki Goh antes de fechar contrato com a Tsuburaya pra ser o Ultraman Jack) que trazia o herói com um visual completamente bizarro (inclusive, com a máscara mostrando a boca @_@). De dar medo meeeeeeesmo… Provavelmente o estilista do modelinho pertencia a algum culto demoníaco ou usou alguma coisinha pra inspirar-se (lembrando que isso eram anos 70… “Paz e amor”, sacaram? =P).

Ignorado (graças a Deus!), um novo piloto foi rodado com direito a um visual repaginado. O ator escolhido para representar o protagonista foi o praticante de artes marciais Tetsuo Narikawa que (como todo ator de toku dos anos 70) não tinha lá muito dom pra interpretação. Tudo parecia ir legal, e até ousaram usar uma elaborada técnica de efeito especial (pra época) chamada Stop Motion nos primeiros episódios. Mas a coisa ficou tão mal feita que desistiram no decorrer da série dessa “avançadíssima” tecnologia, e apelaram pros dublês (maus) vestidos mesmo.

Um certo receio da produção em apresentar o novo herói (e uma catinga de marketing pra lá de ruim) fez com que o título do novo programa da TV Fuji, ganhasse um nome bem “nada haver” pra chamar atenção do público de alguma forma. E assim, por conta do sucesso que “Planeta dos Macacos” (sim… Aquele filme gringo!) fazia ao redor do mundo na época, estreava em 2 de Janeiro de 1971: Uchuu Enjin Gori (Simiano Espacial Gori). @_@!

Macacos me mordam O_o’
O novo programa até que chamou atenção de alguma forma… Afinal, era quase um Ultra, só que mais tosco :P. Estavam lá: o herói que fica gigante (mas dessa vez podia também lutar em tamanho “humano” – uma nítida tática pra baratear custos com papelão de maquete XD), o esquadrãozinho que luta em prol da humanidade do qual o herói faz parte (o Grupo Anti-Poluição, que tinha uma basezinha secreta que mais parecia uma almoxarifado, e uma integrante feminina que ficava sendo trocada a cada 20 episódios e que usava um capacete que tinha uma sirena colada no topo x_x)), os monstros mal feitos de borracha (de material dos mais vagabas, porquê dava pra ver os braços dos dublês às vezes O_O) e as lutas acrobáticas (mais uma vez, a coisa aqui tinha um certo “charme” e bem mais violência que um Ultra! Spectreman esquartejava os monstros !!!).

Mas… Sem sombra de dúvida a presença da célebre dupla de vilões, Dr. Gori e Karas eram o que dava o diferencial e tempero pro programa!
Dr. Gori nem era um cara mal! O objetivo do macaco cientista loiro (e que parecia da família do Seu Madruga… Aliás, foi dublado “por ele” no Brasil XD) era nobre: ele apenas queria conquistar nosso planeta para transformá-lo num novo Éden (aquele jardim bíblico). Isso porquê nós estávamos deteriorando nosso mundinho mais e mais T_T. Pra nos fazer “pagar” por isso, Gori utilizava-se da poluição, por nós gerada, para criar monstros aterradores (vai ver por isso eram mal feitos XD).

Dr. Gori ainda por cima falava por meio da linguagem de sinais!!! O cara gesticulava tanto, mas tanto, mas taaaaanto que provavelmente qualquer surdo entendia a “mensagem” que ele passava pro seu lacaio. Porquê falava dessa forma? Sei-lá… Macaquices?

Já o gorila Karas, fiel escudeiro e pau mandado do Dr., era uma tipo bem esquisitão. A ropitcha dele era algo muito trash! E quando ele resolvia passear disfarçado por Tókio então? Antológico o episódio no qual ele entra numa discoteca. Psicodelia pura! A versão brasileira conseguiu criar mirabolantes diálogos pros dois, que só abrilhantaram ainda mais os personagens. Como esquecer as célebres frases filosóficas que o macaco loiro proferia com a voz do Seu Madruga (o dublador Carlos Seidel) como, por exemplo… : “O Mal será sempre lembrado, porque o Bem nunca é reconhecido!”. Reflexivo, não?

Talvez o fato do Dr. Gori ter começado com “o protagonista” da série, não tenha sido de certa forma injusto =P. Mas a estrela do programa era o troncho do Spectreman! Assim, lá pelo episódio 20, a série trocou de nome para: Uchuu Enjin Gori x Spectroman (Simiano do Espaço Gori versus Spectroman). A série viria a ter o nome do herói como titulo, em definitivo, só a partir do episódio 40! Imaginem se a moda pega? Jaspion seria “Darth Vader Sapatão Satã Goss” ???

Sopapos pro ar, e maquetes a detonar!
Enviado a Terra pelos Dominantes do Espaço (figurinhas enigmáticas que mandavam no Spectreman com suas trovejantes vozes) e oriundo de Nebula 71 (nem tiveram criatividade pra inventar outro nome pro planeta do herói ^^), o andróide (Ele era um ciborgue… Aliás, um Ultra é o que hein?) Spectreman tinha a missão de alertar a humanidade dos perigos que o seu progresso industrial poderia causar ao planeta com o passar dos anos (o resultado a gente vê hoje aí né?).

Mas calhou do fugitivo Dr. Gori e seu assistente Karas (cientista brilhante e militar burro, em seu mundo, respectivamente), chegarem ao nosso planeta em seu vagabundérrimo disco voador de plástico (nem o do Kiko do Chaves era tão ruim XD) quase no mesmo momento. Adotando a carocha de Kenji (Jooji no Japão) Gamou, Spectreman passa a integrar o grupo Anti-Poluição, que era voltado para ações ambientais. Desde tirar o gato do alto da árvore, até enfrentar monstros de papel marchê cobertos de lama.

Sempre que Gori aprontava alguma, Os Dominantes não hesitavam em exigir que Spectreman entrasse em ação! E ai dele se desobedecesse demais aos tais Dominantes! Ameaçavam até baní-lo para Marte, quando ele agia mais de forma “emotiva” que “robótica”. Respondendo a seus chefes (“Dominantes, às ordens!” – ele gritava) Kenji se transformava pra liquidar a ameaça do dia. Ameaça esta que sempre morria no episódio seguinte @_@. Acontece que os episódios de Spectreman quase sempre eram em duas partes – a “parte 1” e o “epílogo”. E algumas vezes até que conseguiam prender a gente pra não perder a 2ª parte.

Em suas batalhas, Spectreman batia muito no monstro e às vezes até se cansava com isso (Ele não é um andróide ò_ó?). E as lutas amalucadas acabavam por nos mostrar o que tinha de mais tosco na série: as maquetes de papelão de 5ª, as explosões pífias… O mais bacana é que, ao contrário dos Ultras, que faziam de tudo pra não destruir as maquetes de isopor, o herói causava mais danos ao meio ambiente que o monstro! Antológico o episódio em que, durante uma luta, ele quase pisa em um caminhão (de plástico XD). O motorista sai lá de dentro puto da vida por quase ter morrido e profere uma série de palavrões contra o pobre gigante. Hehehe… Muito show!

Isso sem contar a abertura! Numa cena de incêndio, você sente o desespero do dublê com a fantasia pegando fogo, correr pra banheira d’água… Ops… OCEANO XD. Aparentemente, era preciso o monstro apanhar pra que o herói pudesse aplicar seu raio mortal, o Spectro Flash. O arsenal do herói era reforçado por suas lâminas de braço (facas Ginsu® embutidas XD) e as bizonhas shurikens (estrelinhas ninja) de papelão que ele arremessava de seu cinturão. Empregando mais uma estranha técnica de efeito especial, algumas vezes víamos as tais shurikens penduradas por um fio e balançando como se fossem cair!!! x_x

Depois de encarar monstros de tudo quanto é tipo (monstro barata, cupim, semáforo, lixeiro – cruzes!) e outras ameaças (como o vampiro Vordalack, num episódio épico), Spectreman encara seu desafio final. Cansado de perder, Dr. Gori conclui seus estudos analíticos sobre as lutas de Spectreman e cria o “monstro imbatível”, capaz de vencer o Spectro Flash do herói (que só pode disparar um… Depois ele cai no chão e acorda destransformado). Mas o plano falha – não completamente, pois Spectreman fica com um ferimento grave no braço. Gori se desespera ao descobrirem seu “esconderijo” (ahn… A nuvem onde ele estacionava o disco x_x) e diante do pânico de seu chefinho, Karas se prontifica a derrotar a maior pedra no sapato dos dois: o “espantalho de ferro” do Spectreman (esse era um dos muitos “apelidos carinhosos” com os quais ambos se referiam ao Spec XD).

A última luta de Karas x Spectreman é melancólica e tosca. Karas usa uma arma que mais parece uma ferramenta de trabalho do Fred Flinstone: um espetacular tacape @_@! Quando é vencido, Gori surta e então vemos nitidamente a boca e os olhos do ator por trás da máscara de borracha… (tosco… tosco). Para espanto de todos, Gori se suicida diante do olhar de um capengo Spectreman. Os Dominantes exigem que seu ordenado retorne à Nebula 71 e vemos (junto com os amigos do grupo Anti-Poluição) nosso herói (na verdade um boneco de madeira XD) levitando em direção à Nebula 71… E na última cena, nosso planeta pendurado por um fio “invisível” (mas que dá pra ver XD) num cenário cheio de estrelinhas que parece ter sido feita por crianças do Jardim da Infância… Mas quem tava aí pra isso, a essa altura do campeonato?

A carreira de Spectreman no Brasil
Spectreman chegou ao Brasil no final dos ano 70. Inicialmente, ele foi exibido nas noites da Rede Record onde não fez muito sucesso. Curiosamente, exibiam a série alternando com Ultra Seven. Dizem que era pra dar impressão de ser uma “nova fase” do Ultra herói clássico…
A série teve uma melhor projeção quando passou a ser exibida pela TVS – o antigo nome do SBT, caso não saibas. O programa era exibido como tapa buraco (em meio à reprise de Ultras), mas por volta de 1986 a atração se tornou o sucesso do programa do palhaço Bozo (e depois passaria pelo Tv Poww! e ainda Show Maravilha). Com isso, a série permaneceu no ar por um bom tempo (mas um bom tempo meeeesmo) se despedindo da tevê brasileira por volta de 1989 – numa época que já passava Jaspion e Changeman na Manchete!).

Pra cês terem uma noção do sucesso da série na tevê, a Bloch Editores lançou uma revista em quadrinhos estrelada pelo herói! Ou seja, a primeira HQ baseada em um tokusatsu da história. Como todos os “tokucomics” que sairam no Brasil, as histórias possuíam uma qualidade bem questionável. E segundo lendas, a Bloch nem tinha direitos autorais pra publicar a revistinha! Prova disso? O herói era azul (às vezes cinza), o protagonista era Kenzo (não Kenji como na tevê) fora outros lances que davam crises de vômito nos fãs mais grandinhos da série. Mesmo assim, a revista durou até perto do número 30! E o Cloud adorava!

A dublagem da série era um charme a parte. Grande parte dos dubladores viriam a dublar Chaves, anos depois. Destaque para Carlos Seidel, o eterno Seu Madruga. Muitos diálogos criativos e bordões foram boladas 100% no Brasil, sem o respaldo da tradução – baseada na versão americana da série que chegou aqui. Versão americana que criou uma musiquinha de abertura que superou a original! Quem ouviu uma vez nunca se esquece XD.

Quem cresceu assistindo às aventuras (e capenguisses) de Spectreman, guarda no fundo da memória as lembranças desse singular herói que defendeu a Terra contra nossas próprias cacas destruidoras do meio ambiente. Analisando bem, nós éramos os inimigos do Spectreman! Em vista do atual cenário do meio ambiente… Nem um batalhão de Specs poderia nos ajudar… Mas com toda certeza nos fariam dar muitas gargalhadas. =)

Checklist Episódios
01/02 – Dr. Gori, o criador de monstros
03/04 – Operação seqüestro diabólico
05/06 – O exílio de Spectreman
07/08 – Mandíbulas da morte
09/10 – O monstro bicéfalo
11/12 – A terrível transformação
13/14 – Um cérebro para o Medusóide
15/16 – O dia em que a terra estremeceu
17/18 – Delírios de um pescador
19/20 – O ninho dos monstros
21/22 – Contatos imediatos do 4o. grau
23/24 – O vingador
25/26 – Uma arma para Spectreman
27 – A Batalha Titânica dos Sete Monstros Gigantes
28/29 – Fúria Cega
30/31 – O mistério dos ovos gigantes
32/33 – Operação Dragão Pré-Histórico
34/35 – A pedra Lunar
36/37 – A volta de Spectreman
38/39 – A ameaça do antigo Egito
40/41 – Um amigo para Giro
42/43 – A revolta dos inocentes
44/45 – O vampiro do espaço
46/47 – A invasão dos sapos
48/49 – O preço do gênio
50/51 – O Impostor
52 – Comboio do espaço
53/54 – Perda de memória
55/56 – O solitário cavaleiro do espaço
57/58 – A maldição da feiticeira
59/60 – Assassinos do além
61 – Pânico no parque de diversões
62/63 – A última batalha

[/div][div coluna2]

[youtube:http://www.youtube.com/watch?v=KItttrDetsY 255 214]

[image]

[image]

[image]

[image]

[image]

[image]

[image]

[image]

[image]

[image]

[image]

[image]

[image]

[image]

[image]

[/div]

Junte-se ao lado dos comentadores

Caretinha: smilewinkwassattonguelaughingsadangrycrying

Galera que linkou a gente: