Resenha: Blue Dragon: RalΩGrad Volume 1 – Editora JBC

Mangá mescla fantasia, ação e comédia.

O mangá Blue Dragon: RalΩGrad foi originalmente publicado na revista Shounen Jump da Shueisha entre dezembro de 2006 a julho de 2007. Ao todo a série teve 29 capítulos em 4 volumes e está concluído.

A obra foi lançada também nos Estados Unidos pela Viz Media (que intermediou a compra dos direitos no Brasil), na França pela Kana e na Alemanha pela Tokyopop Germany. Por aqui está sendo publicado pela JBC.

Os autores são Tsuneo Takano (história) e Takeshi Obata (arte). Obata é também o desenhista de Hikaro no Go e Death Note (ambos publicados pela JBC), e atualmente trabalha em Bakuman.

Blue Dragon nasceu como um jogo de Xbox 360 lançado também em dezembro de 2006. Na verdade tanto os mangás, quanto o anime e o game foram concebidos ao mesmo tempo. Blue Dragon: RalΩGrad foi lançado no mesmo mês que o jogo, e um pouco mais tarde, em janeiro de 2007, mais um mangá da franquia começou a ser publicado: Blue Dragon ST, de Ami Shibata (autora de Bucky, cujo anime foi já exibido na BAND). Este último teve apenas 1 volume, tendo sido cancelado e seguiu mais fielmente a história do jogo.

Além dos dois mangás foram produzidos dois animes. O primeiro foi lançado em abril de 2007 e segue a história do jogo, sendo que a partir da próxima segunda será televisionado no Brasil pelo SBT. O segundo, Blue Dragon: The Seven Sky Dragons, foi lançado em abril de 2008 – e no próximo ano por aqui, se o anime emplacar na tv aberta.

Blue Dragon: RalΩGrad na verdade é uma história alternativa (spin-off), o que significa que embora o tema seja o mesmo, histórias e personagens em si não se correlacionam.

No mundo de Blue Dragon existem seres chamados “sombras”. Diz a lenda que as sombras eram aprisionadas na mais completa escuridão, onde permaneciam vagando. Em algum momento elas passaram a invadir o mundo através das sombras dos seres vivos.

A princípio elas mantinham-se como parasitas, apenas se revelando com a permissão do hospedeiro, dividindo o mesmo corpo, chamada de forma primária. Mas algumas sombras começaram a comer seus hospedeiros, sendo chamadas de corrosivas. Quando isso acontece a “sombra” toma controle do corpo e mente, podendo trocar livremente de aparência. Esta segunda foi chamada de forma secundária. Além disso, elas têm a capacidade de se alimentar de outras sombras, aumentando seus poderes. Quando um secundário faz isso, seu corpo pode assumir a forma de cada coisa de que se alimentou ou combiná-los, chamada de forma destrutiva, multiplicativa ou ainda forma terciária.

Para a má sorte dos humanos, as sombras em sua maioria são agressivas e violentas, matando e destruindo tudo ao seu redor, forçando as pessoas a viverem enclausuradas em castelos, combatendo diariamente os ataques de tais seres. As “sombras” também obedecem às ordens da rainha Opsquria, Lady Bira, que anseia sempre por mais almas e sacrifícios de belas humanas. Devido a este pavor, qualquer humano que tivesse uma “sombra” era ou morto ou aprisionado em “celas” sem qualquer luz, onde elas não pudessem se materializar.

Nosso protagonista, Ral, é um desses prisioneiros desde bebê. Durante toda sua infância ele só pode ouvir do mundo exterior, principalmente por sua “professora” Mio, que lhe ensinou sobre as sombras e a vida. Para aquele reino, Ral é uma pessoa especial, pois ele possui dentro de si a “sombra” Blue Dragon, o poderoso dragão.

Durante um grande ataque ao reino onde Ral é prisioneiro, os humanos não veem outra opção a não ser libertar o Dragão e Ral, na esperança que eles pudessem matar seus inimigos e salvar a cidade. E é assim que pela primeira vez em sua vida, Ral pode ver o mundo… e as mulheres! E naquele momento ele decide dedicar sua vida para proteger todas as donzelass e seus seios …! E, é claro, caçar a rainha das sombras! (E seus peitos…)

A história continua e Ral encontra mais companheiros, rivais e aliados, sempre procurando mulheres bonitas e os peitos mais próximos…

Vale a pena comentar que Grad não é de nenhuma das formas anteriores, é uma fusão especial, onde hospedeiro pode usar as habilidades do parasita. É bem raro, mas Ral encontra alguns pelo caminho.

Voltando, Blue Dragon: RalΩGrad  é uma mangá shounen de aventura, fantasia e ação. Com muito fan-service, principalmente com temas ecchis e mais maduros, além de comédia.

A verdade é que o mangá acabou prematuramente, era uma obra que poderia alcançar dezenas de volumes facilmente. Na época surgiu alguns boatos que isso foi devido à problemas entre a detentora dos direitos e a Jump, outros diziam que RalΩGrad não fez tanto sucesso quando o previsto. Seja como for, ambos os mangá acabaram no mesmo mês, um deles cancelado o outro finalizado às pressas.

Quanto à qualidade da nossa versão, tanto a tradução, quanto a revisão e a edição seguiram o padrão já conhecido da JBC. Todas as onomatopeias traduzidas, fontes diferenciadas, uma ou outra retícula mal-feita, sem as páginas coloridas da versão original, aquelas folhas maravilhosas (cof-cof) que borram o dedo…

Quanto à capa eu realmente me decepcionei. O desenho e cores estão idênticos ao japonês, que por sua vez foi seguido pelo francês, alemão e americano. Até aí tudo bem. O que ficou horrível foi o título. Na versão original ele possui “escamas” do dragão (que é uma das armas do protagonista) no início e no fim da frase. O mesmo foi mantido na versão francesa, alemã e americana (como pode ser visto a seguir). Na capa da JBC foi apenas usada uma fonte com efeitos comuns (brilho, degradê, distorção de texto).

Acima você pode ver os diferentes volumes de cada versão, aviso que não são da mesma numeração, alguns são do volume 1, do 2 e do 3. Observe como todas as versões respeitaram o estilo japonês, com exceção da nossa. Nem o nosso degradê, forma do texto ou o “Ω” estão iguais ou parecidos com o original. Também não se deram nem ao trabalho de usar fontes diferentes no “Blue Dragon”.

Em termos de produção, nosso título é feito em segundos (são efeitos pré-definidos em programas de edição), já os estrangeiros foram feitos na mão com cuidado nos detalhes. Custa investir algumas horas no título, JBC? Pelo menos não teve selo de “do mesmo autor de Death Note”.

Surpreendentemente apesar de ter sido um mangá finalizado prematuramente, RalΩGrad tem muitos fãs por todo o mundo, inclusive no Brasil. Se você gosta de um shounen cujo protagonista é um mulherengo comedor de banana (sim, ele está sempre comendo banana!), dê uma chance para Blue Dragon: RalΩGrad!

Título: Blue Dragon: RalΩGrad
Editora: JBC
Autora: Tsuneo Takano (história) e Takeshi Obata (arte)
Formato: 13,5 x 20,5 cm, 216 páginas.
Preço: R$ 10,90

Publicidade
close