Resenha: Contos de Amor para Você Volume 1- Editora Panini

Romance nas bancas.

Contos de Amor para Voicê Você ou, no original, Otogibanashi wo Anata ni é uma antologia com yomikiris de Ayumi Shiina, lançados originalmente em 2001 na Ribon, revista shoujo da Shueisha.

Essa então é uma coleção de yomikiris de mais de um volume (no caso 2), o que é inédito no país. Este primeiro volume contém três histórias:

Otogibanashi wo Anata ni (Um Conto de Fada para Você)

Otogibanashi wo Anata ni 2: Houseki Hime (Um Conto de Fada para Você 2: A Princesa Preciosa)

Kimagure na Maria (“Maria Descuidada”, é um extra de Muteki no Venus).

Otogibanashi wa Anata ni foi adaptado para Um Conto de Amor para Você e conta a história de amor de Martha e Wolf. Martha é uma garota comum, mas um bocado atrevida. Ela conhece Wolf e de cara os dois se dão mal, já que ele é um mercenário e ela é uma pacifista, ele quer virar um nobre através de conquistas em batalhas, já ela é uma garota comum e quer viver uma vida tranquila em uma fazenda. Birra de um lado, birra do outro até o final feliz, é um conto bem gostosinho de ler e é uma pena que seja tão curtinho. Tem cerca de quarenta e quatro páginas.

Otogibanashi wo Anata ni 2: Houseki Hime virou Um Conto de Amor para Você 2: A Princesa Preciosa. Essa é outra história, mas relacionada com a primeira. Martha e Lucy têm uma relação que seria spoiler revelar, então vou tentar ser bem breve na descrição: Lucy é uma princesa e se sente infeliz por ficar trancafiada dentro de um palácio o dia inteiro e não quer um casamento forçado para formar alianças com o reino vizinho, daí ela foge para ficar hospedada na fazenda de Martha, mas no caminho ela conhece o mercenário Red que é um homem cheio de traumas de guerra. Martha acredita que ela é valorizada apenas por ser uma princesa, que não tem nenhum mérito próprio etc. Durante o conto ela aprende a viver uma vida simples, que é uma pessoa e tem valor por isso e é claro que ela encontra o amor. A história tem quase setenta páginas.

Kimagure na Maria que foi adaptado para Um Capricho de Mãe é um extra do mangá Muteki no Vênus (A Vênus Invencível – 1994) que é uma série de quatro volumes da autora Ayumi Shiina. Eu não li o mangá de onde esse extra é derivado, mas confesso que gostei bastante desse conto. Essa é uma história de colégio, diferente das outras duas que seriam contos de fada. É sobre Nonoka-chan, garota comum que não admite que gosta de Atsushi-kun, que é seu amigo de infância e membro do clube de baseball. Um dia uma garota se declara para o Atsushi-kun e os dois começam a namorar, Nonoka fica enciumada com a  relação e diz que quer apenas proteger seu amigo das garras dessa garota, que ela o ama como se fosse uma mãe (no original Maria, aquela que é mãe de Jesus, alguém lembra?). É uma história curtinha e bem legal, o mangá todo é bem legalzinho, mas não é ótimo, é legal apenas, se vocês me entendem. Ah, nesse conto temos a participação especial de uma personagem de Anata to Scandal (marketing é tudo nessa vida!!). A história tem pouco mais de quarenta páginas.

O traço é um pouco datado, o mais engraçado é que as duas primeiras histórias que foram desenhadas mais recentemente parecem bem mais velhas que a última. O traço da autora me lembrou muito o da mangaká Wataru Yoshizumi, acho que isso se deve às caretas que ela usa e que são idênticas às feições dos personagens de Wataru, fora que o character design (principalmente da última história) é bem parecido.

Eu não entendo o motivo da Panini lançar esse mangá, eu sei que a editora gosta de publicar histórias curtas, parece que elas vendem bem, mas esse título não tem nada que chame a atenção. Eu fucei o site da matriz italiana e não consegui achar esse mangá no catálogo deles, isso me faz pensar que ele deve ter vindo de “brinde” em algum licenciamento maior, como a Panini tem trazido muitos mangás da Ribon é capaz deles publicarem esse mangá por exigência da Shueisha (exemplo, licencia Gentlemen’s Alliance † ou Rockin’ Heaven e acaba tendo que lançar outros mangás menores, é comum as editoras japonesas fazerem isso).

Pode ser também um teste para lançar outras obras da autora no futuro, ela produziu Penguin Brothers que é famosinho e poderia sair por aqui, mas a verdade mesmo é que ela tem muitos títulos que poderiam ser lançados no futuro se vender bem esse mangá. No quesito história a criatividade fica a desejar, mas o desenvolvimento é bom, e para contos curtinhos o resultado final ficou muito bom.

Agora vamos falar sobre os problemas técnicos, e eles são muitos. Primeiro, o título em português: cafona é o mínimo que pode ser dito, parece ser nome daqueles romances de banca. Para falar a verdade, no Orkut muita gente já comentou que os jornaleiros estão guardando o mangá no lugar errado, ao invés de colocarem na prateleira dos quadrinhos estão colocando junto com os romances Júlia, Sabrina etc. Eu entendo os jornaleiros, eu trabalho em biblioteca e costumo emprestar uns 50~70 desses livrinhos românticos e o nome horroroso que eles escolheram parece com o de uma coletânea dessas histórias românticas.

Quando eu falei que a capa era cafona ao mencionar o lançamento anteriormente (no meu blog) veio gente dizer que adorou, eu não gostei, essa é minha opinião. Acho feio esse estilo que imita livro antigo? Não, acho feio que a capa parece ter sido feita em cinco minutos no Paint. Acho feio porque o papel da capa e a impressão não ajudaram a diminuir a impressão negativa que eu tive quando vi a capa na internet pela primeira vez. Ao vivo continua parecendo feita em cinco minutos no Paint e eu reclamo principalmente porque a Panini costuma fazer capas originais lindas (Vampire Knight, Conde Cain, Marmalade Boy etc.) algumas melhores que as originais, mas dessa vez ela fez uma capa bem fuleira mesmo, fail, ponto negativo. É claro que isso não impede outras pessoas de curtirem a capa, mas eu pessoalmente detestei. Não encontrei a capa original do mangá inteira na internet, só acho a parte da frente, por isso não há como comparar direito com a original (aliás, prefiro a capa padrão da Ribon que essa feita pela Panini).

Na parte de trás há um resumo das histórias (enfim a Panini aprendeu que colocar resumos e ajudar o leitor a se decidir ou não pelo título. Viva!) e está bem mais aceitável que a primeira capa (mas continua feia). A única coisa que eu achei legal nesta foi terem colocado o logo da Panini e do Planet Mangá no mesmo tom de mel das letras, bem criativo da parte do pessoal da Mythos.

Na capa está escrito “Contos de Amor para Você”, tudo bem até aí, mas na lombada está escrito “Contos de Amor para VoIcê”. Cometer erros todo ser humano comete, mas errar na capa do mangá? Troféu Savana pra Panini!

Se vocês pensam que isso é tudo estão muito enganados, conseguiram errar no sumário também, está assim:

“Um Conto de Amor para Você   005
Um Conto de Amor para Você: A Princesa Preciosa   049
Um Capricho de Mãe   199
Páginas Extras   164
Glossário   168″

Em primeiro lugar não há 199 páginas no mangá, são exatas 170 páginas, o conto “Um Capricho de Mãe” começa na página 119 e não 199. Em segundo lugar falta de atenção, alguém escreveu no sumário “Um Conto de Amor para Você: A Princesa Preciosa”, mas lá dentro na própria história está escrito: “Um Conto de Amor para Você 2: A Princesa Preciosa”. Será que eles poderiam se decidir em um título apenas para a segunda história? A gente pode até deixar passar um errinho ou outro no mangá, mas errar na lombada (alguém lembra de Lobo Solitário?) e no sumário é de doer o coração.

É público que a Panini perdeu sua editora Beatriz Berto, que tem gente nova no lugar dela, que provavelmente essas pessoas ainda estão em treinamento e vai levar tempo até eles terem prática o suficiente, mas a Editora Sênior, Elza Keiko, que por acaso também editou esse volume, deveria ter atenção redobrada já que ela tem funcionários novos.

Não acho que esses erros justificam um Recall, mas espero ver um pedido de desculpas no próximo volume do mangá para aqueles que compraram essa edição cheia de erros. Se por acaso o segundo e final volume de Contos de Amor para Você já tiver ido para a gráfica e não der mais tempo de pedirem desculpas no próprio título, espero que a Elza o faça formalmente pela falta de atenção que teve com “Contos” na próxima seção de cartas. A Mythos/Panini sempre diz que preza o leitor, espero que provem isso.

Tirando esses erros o resto do mangá está direitinho, a mesma ladainha de sempre, reconstruções bem-feitas, ou pelo menos estão bem escondidas, os honoríficos foram mantidos na história que se passa no Japão atual – nos contos que se passam em alguma época indefinida da Idade Média não há honoríficos, há o glossário no final do mangá. A tradução é da Karen Kazumi Hayashida, está bem-feita também. Ainda há o nome da Beatriz Berto na adaptação, significando que esse mangá estava guardado para ser lançado desde meados do ano passado. As fontes foram quase totalmente respeitadas, onomatopeias todas legendadas, parte de dentro da capa colorida etc.

Sobre recomendar o mangá: não dá pra recomendar um mangá cheio de erros. É legalzinho? É! É indispensável pra minha coleção? Não! Então fica a critério de cada um saber se vai ou não comprar o título, se a história compensa os erros. Tais erros me incomodaram demais, acho uma grande falta de respeito com quem gasta o próprio dinheiro nisso. Mangá não é um produto indispensável para a vida humana, é apenas entretenimento, mas mesmo assim não justifica que tamanho desleixo seja tolerável.

Título: Contos de Amor para Voicê Você
Autora: Ayumi Shiina
Formato: 13,7 x 20
Duração: 2 volumes
Periodicidade: Bimestral (acho)
Preço: R$9,90
Demográfico: Shoujo
Gênero: Romance, Fantasia, Romance Escolar

Publicidade
close