Resenha: Hikonin Sentai Akibaranger – Episódio 1

Simplesmente imperdível-nya.

Nesses quase 10 anos de existência, o JBox conseguiu a antipatia e o ódio de um “seleto” grupo de fãs de tokusatsus – que coloca nosso nome na macumba a cada nova matéria lançada sobre os live-action japoneses.

Tudo porque sempre brincamos com as situações engraçadas, os roteiros às vezes bizarros e os problemas orçamentários dessas produções (ao menos as mais antigas). O que não significa que não gostamos, até porque a graça está justamente nesses detalhes. =D

Esse mesmo grupo de nerds deve estar querendo cortar os pulsos agora, já que a própria  Toei, a “sagrada mãe” da maioria dos programas do gênero,  não fez diferente de nós no recém-estreado Hikonin Sentai Akibaranger: esculachou tudo de forma divertida pra satirizar os sentais, os tradicionais esquadrões coloridos que há 35 anos protegem o Japão e fascinam as crianças do mundo todo – mesmo que na forma de Power Rangers.

E pode parecer meio precipitado por levar em conta apenas o primeiro episódio, mas me arrisco a dizer que Akibaranger é a melhor coisa produzida no Japão (relacionada à tokusatsus, é claro) em muuuitos anos. Principalmente pra quem é bem humorado.

A História
Nobuo Akagi é um rapaz bastante peculiar: trabalha como entregador para sustentar seu vício em… super sentais! O cara respira as séries da Toei e sonha em se tornar o Red de alguma temporada. Seu amor pelos coloridos saltitantes só não é maior do que sua fixação por Aoi, uma garotinha moe estrela de um anime fictício chamado Z-Cune Aoi. Detalhe: ele tem “só” 29 anos e se comporta como um tremendo retardado (familiar, né?).

No meio de um de seus trabalhos corriqueiros, enquanto tenta dar uma de super-herói (o que definitivamente não é seu dom…), Nobuo é recrutado por Hiroya Hakase, dona de um estabelecimento chamado Sentai Café (na realidade a base secreta do grupo e que é enfeitada com tantas quinquilharias dos esquadrões que faz qualquer fã hardcore enfartar de tesão =P) para que junto dos também otakus Yumeria Moegi (que se fantasia de gato, termina todas as frases com “nya” e age como uma retardada – amei ela *_*) e Mizuki Aoyagi, se tornarem o Esquadrão Não-Oficial Akibaranger.

O objetivo dos heróis é além de defender o Japão de uma organização maligna que eles não sabem qual é, ganhar seu programa nos domingos de manhã – sendo assim reconhecidos como um sentai oficial pela Toei. Quem sabe o 37º… =P

Não Oficial?
A série estreou no último dia 06 de abril e mais que uma sátira corrosiva é uma homenagem aos sentais. As referências aos heróis coloridos são constantes, mas não é obrigatório conhecer todas as produções da franquia pois sempre aparece uma referência na forma de fotos e imagens dos esquadrões quando citados – isso sem contar as músicas-tema que sempre tocam no fundo.

A graça em Akibaranger está justamente no sarro que tiram dos clichês do gênero sem se importar em “denegrir a imagem” dos heróis. Praticamente vomitam em cima de todos as perguntas que sempre fazíamos sobre as repetições das situações (porque já não usam a arma finalizadora no início da luta, por exemplo) e escracham tudo que é possível. Não passa um único minuto sem haver uma piada!

A seguir listo algumas das situações que por si só já fazem o seriado valer a pena como um todo – mas atenção, contém spoilers, muitos spoilers:

– Inicialmente Nobuo achava que seria levado para os estúdios da Toei (@[email protected]) para ser o Red de uma temporada das séries sentai, não que fosse se tornar um herói de verdade!

– Os heróis se transformam usando um tipo de garage kit da personagem de anime Aoi, que passa então a ser utilizado como uma espécie de pistola laser. Detalhe para a frase de transformação: “Grande Desilusão!!”. E eu achando que Jacãn era muito chique. =P

– Ao “morfarem” eles vão sempre parar em um local diferente de onde estavam (Power Rangers mandam lembranças), geralmente em uma pedreira, galpão abandonado ou área descampada. E  Nobuo, para acalmar as parceiras, explica: “essa é uma das situações mais comuns nos sentais”.

– É hilário quando, ao se depararem com o monstro do dia (chamado Gerente de Escritório Seitakawadachisouhidenagaphid Shibuya @[email protected]) os Akibarangers já usam a arma finalizadora no coitado – que acha essa atitude injusta. Quem nunca se perguntou o motivo dos Flashman já não lascarem a Cosmic Vulcan e liquidarem o mostro de uma vez?

– O inimigo se apresenta como a Corporação Descaradamente Maligna Guerrilha Marketing B (GZUZ @[email protected]). A primeira “comandante” a aparecer é a “Chefe de Desenvolvimento Urbano” (oi?) Marushina, uma réplica das “mulheres-fetiche” vistas em vários animes.

– Agora, a melhor parte: ao exterminarem o monstro de nome quilemétrico, o Akiba Red lembra-se de que o vilão será gigantizado e terão que liquidá-lo usando um robozão. Só que se passam horas e os coitados continuam na cena de batalha esperando o bichão crescer – o que não acontece!!! Sorte deles, já que não tinham um mecha. =P

Junte a isso o fato da Blue e Yellow se assustarem com as explosões coloridas, as poses e coreografias bizarras e diálogos impagáveis.

Sem dúvidas já é o melhor sentai do ano. E tendo concorrente único o chatinho Gobuster, é hora de começar a campanha: Toei, torne Akibaranger oficial!! =P

Publicidade
close