Resenha: Gigantomachia – Editora Panini

A obra de um gigante sobre gigantes.

É sempre incrível observar histórias que contam condições de um mundo pós-apocalíptico. Sempre existem variadas formas de se ver esse mundo. Às vezes é um mundo futurista em ruínas. Pode ser também uma vida no espaço sideral, em Marte, talvez. Mas o mundo também pode voltar a ter características selvagens, porém mais adaptadas e, bem, tendo sofrido o efeito da evolução. Esse último e específico caso é o que podemos observar em Gigantomachia.

O mangá do renomado Kentaro Miura, autor de Berserk, traz dois protagonitas: Delos e Prome. Delos é um homem bem forte e de boa índole que anda junto de Prome, uma misteriosa garota que possui poderes sobrenaturais, diferente do resto dos “hus”, como são chamados os humanos na história.

gigantomachia1

Essa divisão no mangá entre os “hus” e os “mus” é extremamente vital para o desenvolvimento do enredo. Os mus são humanos que acabaram sofrendo os efeitos da evolução com o decorrer do tempo e são caçados pelos hus, como seres inferiores que devem ser extintos. Para isso, os hus usam gigantes para conquistar tudo o que podem.

Apesar de parecer ter um clima denso ao nível de Berserk, não é isso que observamos. Gigantomachia possui um enredo bem mais leve e cheio de cortes humorísticos. A dupla de protagonistas fica responsável por esse pequeno teor cômico. Mesmo assim, continua tendo uma notável discussão social e isso sem falar de lutas interessantes.

O mangá possui certa polêmica por ter sido publicado na época de um (dos) hiato(s) de Berserk, a verdadeira grande obra de Miura. Não desmerecendo Gigantomachia, claro, mas os fãs de Berserk realmente podem dizer que sofrem com a espera pelo lançamento de ao menos um capítulo da obra.

No geral, é um mangá altamente recomendável para os fãs do Miura, claro, mas também pode ingressar muitos leitores que não conhecem o autor a conhecer seu estilo incrível de narrativa e traço.

gigantomachicapa1

Outra edição de luxo

Gigantomachia, como era esperado, veio ao Brasil no mesmo padrão do relançamento de Berserk pela Panini. Colocando melhor, a edição está em papel offset, no formato 13,7 x 20 cm e lombada quadrada. O mangá está saindo pelo preço de R$15,90 e possui 232 páginas.

É incrível como o acabamento final do mangá está belo. O papel offset dá um belo charme e deixa o volume, que é único, com um aspecto bem firme. Pode-se dizer que a Panini fez um trabalho sensacional na impressão deste, assim como fez com Berserk.

gigantomachia2

A questão de tradução e adaptação está muito boa também, principalmente a representação do falar rebuscado de Prome e seus cômicos momentos de deslizes. A revisão está ótima, como era de se estar. Uma coisa que achei muito boa também foi a opção pelo uso de página completa para a quadrinização. Encaixou-se perfeitamente e dá um esbanjo a mais para a arte do Miura.

gigantomachiaexemplo1

exemplo do uso da página completa
gigantoexemplo2

Conclusão

Gigantomachia é realmente um mangá que merece respeito. A obra tem uma leitura de grande valia e te faz refletir sobre algumas coisas. Além disso, tem personagens realmente ótimos. A arte, como já dito, é esplêndida e a edição da Panini está trazendo isso com o mais digno glamour merecido. Uma obra de um gigante numa qualidade no mesmo patamar.

História: 4,5/5

Edição Nacional: 5/5

Publicidade
close