Protagonista de 'Sakura Kakumei'.

Sakura Wars: Jogo mobile ‘Sakura Kakumei’ ganha novo vídeo

Novo trailer mostra um pouco do gameplay.

O jogo mobile Sakura Kakumei: Hanasaku Otome-tachi (algo como Revolução de Sakura: As Moças ao Florescer), um spin-off de Sakura Wars, ganhou um novo trailer, mostrando um pouco do gameplay. Como o jogo só vai sair no Japão (ao menos por enquanto), os vídeos estão em japonês.

Confira:

Os trechos de gameplay mostram lutas em modelo de turno, com equipes de 5 personagens: 3 lutam e 2 ficam aparentemente em suporte. Durante o vídeo, uma música com temática de “revolução” toca, com trechos dizendo “vamos pegar de volta”. Ao final, Shino Sakura, a protagonista, fala sobre “fazer a revolução das cerejeiras”.

O jogo foi anunciado no começo de setembro e teve um primeiro trailer na Tokyo Game Show, e está previsto para sair até dezembro deste ano no Japão, disponível em dispositivos móveis. A história se passa anos depois de Sakura Wars, numa Tóquio alternativa (assim como a série original é num passado alternativo).


Fonte: Siliconera


Sakura de algum 'Sakura Wars', com kimono e espada.

Sakura Wars é uma franquia de videogame, passando em uma era Taisho fictícia (1012-1926, um período de forte militarismo e expansionismo japonês), mostrando um grupo de mulheres com poderes mágicos tentando derrotar demônios em mechas movidos a vapor. A série inspirou diversas produções em outras mídias.

Cartoon Network exibiu no Brasil a animação de 25 episódios para TV produzida em 2000 pelos estúdios Red Company, Madhouse e Studio Matri. Os OVAs Sakura Taisen: Ouka Kenran (Brilhante Florescer, em tradução livre), de 4 episódios, e Sakura Taisen: Gouka Kenran (Estrondoso e Brilhante Florescer, em tradução livre), de 6 episódios, também vieram ao país. A Televix licenciou tudo em um pacotão de 35 episódios sob o nome Sakura Wars.

JBC publica o mangá de Ouji Hiroi, com arte de Ikku Masa e Kosuke Fujishima no Brasil, nos formatos físico e digital. Na versão virtual, 5 dos 9 volumes foram publicados, enquanto na edição impressa é seguido o padrão de “3 em 1”, que terá ao todo três volumes.

Publicidade
close