Imagem: Black Kamen Rider na Coluna do Daileon!

O que esperar do futuro de Kamen Rider? | Coluna do Daileon #128

A coluna dessa quinzena faz um balanço sobre os agitados anúncios de Kamen Rider, a polêmica de Kurata e os episódios cortados no Pluto TV.

Kamen Rider completou 50 anos no último dia 3 de abril. Tivemos três anúncios que agitaram o público. Em meio às celebrações, os fãs de Black ficaram chateado com uma certa declararão de um astro da franquia – que é muito querido no Brasil. E duas séries da franquia estão disponíveis no Brasil através de uma plataforma de streaming, mas nem tudo são flores.

A Coluna do Daileon dessa quinzena faz um balanço dos altos e baixos da franquia nas últimas duas semanas.


Cyclone! Joker!

Imagem: Logo de Kamen Rider W FUUTO PI.
Shotaro & Philip no mangá FUUTO PI | Foto: Divulgação/Shogakukan

O primeiro grande anúncio foi a adaptação do mangá FUUTO PI, derivado da série Kamen Rider W (Double), para animê. W foi a série que marcou o início da segunda fase dos Heisei Riders, logo após o final do famigerado Kamen Rider Decade.

Particularmente eu sou suspeito pra falar sobre W, pois é uma das minhas séries favoritas da era Heisei. Aliás, rever recentemente os dois primeiros episódios no canal Toei Tokusatsu World Official foi o mesmo que voltar para setembro de 2009. Foi um tempo muito bom pra mim (que ainda nem sonhava em ser colunista de tokusatsu).

Os manchetossauros saudosistas hardcore da era Manchete podem não gostar, mas a primeira aparição de Double, lá no filme Kamen Rider Decade: All Riders vs. Dai-Shocker, foi triunfal. Nunca imaginaríamos ver Shadow Moon, ou melhor, sua versão alternativa, apanhando de forma tão humilhante. Daí em diante, o personagem virou – merecidamente – um verdadeiro saco de pancadas dos Riders em alguns filmes.

É claro que essa estreia do então novo herói era pra causar impacto no público infantil da época. Mais do que isso, Double é ótimo em tudo. Os carismáticos personagens principais, a trilha sonora, o quebra-cabeça da trama, só tudo. Por sinal, o mangá segue a mesma linha investigativa da série de TV e já conta com 10 volumes publicados até o momento. Porém é uma continuação, tanto é que temos a volta da organização terrorista NEVER, comandada por Katsumi Daido/Kamen Rider Eternal.

Sem mencionar o engraçadinho Kamen Rider SD, um OVA de 1993, finalmente teremos um animê de Kamen Rider, como os fã esperavam há tempos. Na coletiva de imprensa realizada no último dia 3, o produtor Hideaki Tsukada disse que a equipe da Toei descobriu “muitas coisas” durante a adaptação do mangá para o animê, afirmando que “houve também uma evolução“.

Felizmente tivemos a confirmação de FUUTO PI no Brasil pela plataforma de streaming Funimation. Deve estrear lá pra julho de 2022, quando começa a temporada de verão dos animês. Alô, Sato Company! Alô, Sato Company! Não seria uma boa hora de licenciar Kamen Rider W pra cá? O hype pode atrair novos fãs, justamente por causa do animê. Build e Zero-One são opções que podem esperar.


Sol negro

Imagem: Logo de Kamen Rider Black Sun.
Foto: Reprodução/Toei

Este que foi o segundo grande anúncio praticamente quebrou a “tokunet” brazuca neste fim de semana. Quando a notícia saiu no final da sexta-feira, dia 2 de abril, eu já estava me preparando para dormir. Me programei para acordar cedo no dia seguinte, às 5h da manhã, caçar as notas sobre os anúncios para o site JBox e também aguardar a transmissão da coletiva de imprensa das 7h30.

Quem diria que Kamen Rider Black, uma “velharia” como alguns haters dizem por aí, ganharia um reboot, não é mesmo? E não é a toa, não. Kamen Rider Black Sun será uma oportunidade de ouro para a Toei aproveitar conceitos/elementos do mangá que não foram aproveitados na série de TV.

Pra quem não sabe, a produção de Black sofreu mudanças na equipe de produção que afetaram os rumos da trama. A saída prematura do saudoso roteirista Shozo Uehara foi uma delas.

Espera-se que Black Sun siga o mesmo formato de Kamen Rider Amazons, que foi uma releitura do clássico Kamen Rider Amazon (de 1974) e tinha uma pegada extremamente violenta. Obviamente era voltada para o público mais velho e este mesmo público será atendido pelo reboot.

Seria interessante a Toei aproveitar um ou outro personagem da série de 1987, como o espadachim das trevas Taurus (sim, o vilão mais cruel que o próprio Shadow Moon!), para esta nova versão. E quem sabe aproveitar melhor a rivalidade entre Black e Shadow Moon, explorando mais a ligação entre os dois irmãos, que nasceram no momento de um eclipse solar.

Segundo o produtor Fumio Yoshimura, os planos para a exibição de Kamen Rider Black Sun em outros continentes “ainda não estão acertados“. Mas disse que há possibilidade de uma transmissão simultânea mundialmente. Cruzemos os dedos.


Novo de novo

Imagem: O Shin Kamen Rider!

E o filme Shin Kamen Rider foi o terceiro e último anúncio do dia 3 de abril. A divulgação aconteceu na coletiva de imprensa realizada pela Toei. Pra início de conversa, não confunda com o Shin do filme de 1992, ok? Em tempo, Hideaki Anno vai dirigir e roteirizar o filme.

Definitivamente, Anno é o rei dos reboots. Ele foi o responsável pelos filmes Shin Godzilla (2016), a tetralogia de Shin Evangelion (2007-2021), conhecido por aqui como Rebuild of Evangelion, e também o vindouro Shin Ultraman (2021) [nota: no caso de Evangelion, o Anno é o criador e diretor de todas as obras da franquia].

O filme está previsto para março de 2023 e sofreu esse atraso de dois anos por causa da pandemia da COVID-19. O produtor Shinichiro Shirakura comentou na mesma coletiva que o projeto começou há seis anos. Nesse caso, as comemorações de 50 anos serão estendidas até o lançamento de Shin Kamen Rider. Ele ainda comentou na ocasião que almeja uma data para um lançamento global, mas nada confirmado até o momento.

Meu receio é que Shin Kamen Rider seja mais um filme arrastado, como foi o caso de Shin Godzilla. Não que o primeiro “Shin” de Anno fosse de todo ruim, veja bem. O filme teve excelentes efeitos especiais e fotografia, mas a trama é enfadonha de tão sonolenta (o tal “núcleo humano” passou da conta).

Torço para que o filme faça uma justa releitura da obra de Ishinomori, deixando um legado para as próximas gerações que hão de acompanhar a franquia.

Em tempo, Shirakura garantiu que haverá um novo filme de Kamen Rider Saber para julho, marcando também as comemorações de 50 anos da franquia. O primeiro filme da série foi lançado em dezembro de 2020 nos cinemas japoneses.


Ingratidão ao clássico?

Você deve ter acompanhado a recente polêmica envolvendo Tetsuo Kurata, o astro de Kamen Rider Black, não é? Caso esteja por fora do assunto, pode acompanhar essa novela por aqui.

Imagem: O ator Tetsuo Kurata.
As duas faces de Issamu Minami, interpretado por Kurata | Foto: Reprodução

Kurata foi muito infeliz ao dizer que não gosta muito de falar de Kamen Rider, sendo que o mesmo disse em novembro do ano passado, numa entrevista ao Tamashii Web, que acreditava que era seu destino continuar a ser Issamu Minami. O que aconteceu então nos últimos meses?

Por mais desconfortável que essa impressão tenha deixado, imagino que Kurata deve estar cansado do assédio dos fãs e de ter sua imagem associada ao Black. É o direito dele, embora as declarações sejam um tanto ingratas ao meu ver. E vamos combinar que tais comentários foram desnecessários, ainda mais no dia em que Kamen Rider completou 50 anos. Talvez nunca saberemos se isso foi algum desabafo do Kurata por não participar de Black Sun.

Sobre a história do uso indevido da estátua no restaurante Billy the Kid, Kurata deveria ter honrado o compromisso firmado com o artista A-san. Isso foi um ganha-perde e não foi nada justo. O pessoal da página Kyoudai Express, que acompanhou cada detalhe dessa polêmica, informou que Kurata retirou a estátua do restaurante nesta semana.

Apesar dos pesares, Kurata sempre será lembrado como Black. Assim como Hikaru Kurosaki sempre será lembrado como Jaspion, por mais que ele insista em se afastar do personagem e/ou de tudo que remeta à sua carreira artística.

No mais, o negócio é deixar ele viver a vida. Ele está no seu direito.


Intervalos inoportunos

Imagem: Cena de 'Kamen Rider Black' com o Kamen Rider agarrado por 2 inimigos.
Pobre Senhor Black!… | Foto: Divulgação/Toei

Eu fecho essa edição falando sobre Kamen Rider no TokuSato Channel, da Pluto TV. O canal estreou há exatos 10 dias e, sinceramente, não vi tanto apelo do público. Será que Black e Zi-O já se tornaram produtos saturados, devido aos problemas com os direitos conexos que a Sato Company se envolveu de setembro pra cá?

Essa pergunta pode parecer tendenciosa, mas não é disso que se trata. Meu ponto é sobre os breaks comerciais que entram de sopetão, principalmente em momentos importantes de cada episódio, e não foram tão comentados assim. Ou talvez os manchetoss… digo, os saudosistas aceitaram de boa esse tipo de corte.

Já aviso que não parei pra assistir ainda o Zi-O no Pluto TV por não ter, nesse momento, a menor paciência de rever essa série (eis aqui o meu trauma com o rei do tempo). De vez em quando vejo algum episódio do Black na hora do almoço, pois eu sou viúva fã desse clássico, ora bolas.

Olha, pra quem tá acostumado com a série desde 1991, na época da Manchete, sabe onde deve entrar ou não o comercial. É chato, por exemplo, ver o Black desferir o Rider Punch e de repente entrar uma chamada de um programa de outro canal da plataforma. Poxa, só lembrei aquelas propagandas antigas dos canais Telecine que faziam zoeira com canais de filmes que tinham esse mal costume no final dos anos 90.

Mas falando sério, existem marcações para cada episódio. “Ah, só são três intervalos.” Justamente por isso, meu caro Padawan. Se você tiver acesso a algum DVD de qualquer série antiga da Toei, vai ver que existem quatro blocos por episódio: OP (opening; abertura), parte A, parte B e ED (ending; encerramento). Entre cada um deles temos três espaços para comerciais, usados originalmente nas transmissões da TV japonesa. Se há esse padrão, então qual o problema de adotá-lo?

Outro ponto: a Sato perdeu uma boa oportunidade de elevar o nome Kamen Rider no dia em que a franquia completou 50 anos. O Team Kamen Rider, equipe formada por fãs da franquia nos EUA, conseguiu preparar uma semana comemorativa que se estendeu até ao canal da Toei no YouTube, com exibições de três filmes.

Nós brasileiros ainda não aprendemos a dominar a marca Kamen Rider. Sigamos o exemplo dos nossos amigos gringos.

PS: O Pluto TV divulgou nesta quarta (14) a chamada do TokuSato Channel, com destaques para Jaspion e Kamen Rider Black. O Homem Mutante acabou sendo rebatizado mais uma vez, agora com o errôneo nome “Black Rider” (veja aqui). Eu até entendo que a Sato queira adotar o título Black Kamen Rider pra agradar o pessoal das antigas. Mas… “Black (argh!) Rider”??? Simplesmente não dá. É tão intragável quanto “Black Man”, “Moto que voa e flutua”, “manchetossauro” e coisas do tipo. Tô certo ou tô errado?


O texto presente nesta coluna é de responsabilidade de seu autor e não reflete necessariamente a opinião do site JBox.

Publicidade
close