Imagem: Personagens de 'Singular Point' de cabeça para baixo, em pôster.

‘Godzilla Ponto Singular’ estreia dublado na Netflix

Finalizado recentemente no Japão, o novo animê do Rei dos Monstros ganha estreia mundial pela plataforma de streaming.

A Netflix lançou nesta quinta (24) todos os 13 episódios de Godzilla Ponto Singular (Godzilla Singular Point ou Godzilla S.P). O mais novo animê do Rei dos Monstros foi lançado pela Netflix japonesa no final de março deste ano, além de ser exibido na TV japonesa durante esta temporada de primavera (de abril a junho). Godzilla S.P está disponível com áudio original e dublagem em português, inglês e opções de legendas em português, inglês, japonês, entre outros idiomas.

A dublagem foi produzida no estúdio Unidub, com tradução por Camila Pereira, mixagem de Jun Li e direção por Wellingtom Lima. A personagem Mei é interpretada por Mariana Evangelista e Yun, por Lipe Volpato.

Imagem: Screenshot de 'Godzilla SP' na Netflix.
Clique na imagem para acessar a série na Netflix. | Reprodução/Netflix

Godzilla S.P é protagonizado pela pesquisadora Mei Kamino e o engenheiro Yun Arikawa, dois jovens gênios que enfrentam uma ameaça sem precedentes ao lado de seus companheiros.

A direção é de Atsushi Takahashi (Doraemon the Movie 2017: Great Adventure in the Antarctic Kachi Kochi), com composição de Kan Sawada (Doraemon) e roteiro de Toh Enjoe (estreando na TV japonesa). Além deles, Kazue Kato (Blue Exorcist) é o responsável pelo design dos personagens. Eiji Yamamori, animador de vários filmes do Studio Ghibli, está à frente do design de Godzilla.

Por aqui, a Netflix também disponibiliza a trilogia animada formada pelos filmes Godzilla: Planeta dos Monstros (2017), Godzilla: Cidade no Limiar da Batalha e Godzilla: O Devorador de Planetas (ambos de 2018).


Os envolvidos falam sobre o animê

Em entrevista para o site Anime News Network, o diretor Atsushi Takahashi e o roteirista Toh Enjoe falaram sobre a concepção de Godzilla S.P.

Eles [os kaijus] não são simplesmente vilões que causam destruição desenfreada continuamente; nós os retratamos como criaturas vivas que tentam evitar os prédios em seu caminho o máximo possível, mas quando seus corpos enormes fazem contato com os prédios, eles acabam sendo destruídos”, disse Takahashi. “Ao combiná-los com os movimentos de um animal que você já deve ter visto antes, eu queria transmitir a sensação de que eles realmente existem.

A primeira coisa que buscávamos era formular uma história de Godzilla que é mostrada em animação em 13 episódios semanais”, disse Enjoe, que já trabalhou com física. “Originalmente, entrei não como roteirista, mas como consultor para os aspectos da ficção científica, então pensei principalmente em como Godzilla poderia ser atualizado como uma criatura viva. As pessoas estão certas quando dizem que Godzilla é um símbolo de algo, mas eu queria tentar reexaminar o que poderia ser reexaminado através da perspectiva da biologia moderna.

Takahashi disse na entrevista que curte os monstros do clássico do terror O Ataque dos Vermes Malditos (1990). Já Enjoe listou kaijus de Godzilla, da versão original de 1954 até o filme de 1984, como favoritos.


Fonte: Netflix e Otaku USA Magazine

Publicidade
close