Imagem: Capa do volume 1 do mangá 'Made in Abyss'.

Made in Abyss: Filme hollywoodiano estaria a caminho pela Columbia Pictures

Adaptação, provavelmente live-action, estaria nas mãos de Kevin McMullin.

Segundo o Deadline, a Columbia Pictures estaria trabalhando em um filme de Made in Abyss, com adaptação por Kevin McMullin (Low Tide) e produção de Roy Lee e Masi Oka. Fica entendido que deve ser um filme live-action, mas essa informação não é dada formalmente na notícia.

A série é um mangá com autoria de Akihito Tsukushi, contando com 9 volumes, ainda em andamento. No Brasil, a editora NewPOP publica a obra.

A história já inspirou uma animação, lançada em 2017, com 13 episódios. Em 2019, saiu uma série de 2 filmes: Journey’s Dawn e Wandering Twilight. Por fim, no ano passado, um filme com história conectada ao animê foi exibido no Japão.

Todas as produções animadas são do estúdio Kinema Citrus, que também trabalha na segunda temporada, marcada para 2022.


Fonte: Deadline


Made in Abyss

Publicado aqui no Brasil pela editora NewPOP, Made in Abyss é um mangá de Akihito Tsukushi, saindo digitalmente desde 2012 pela Web Comic Gamma, da editora Takeshobo, reunindo até o momento 9 volumes. A história gira em torno dos mistérios de um sistema de cavernas chamado de Abyss (Abismo), um lugar pouco explorado que ninguém sabe onde dá.

Vivendo à beira desse Abyss está a pequena garota chamada Riko, uma órfã que deseja ser uma exploradora do local, tal qual a sua mãe. Em um dia qualquer ela acaba conhecendo um robô humanoide chamado Reg e inicia sua aventura junto a ele. Pode parecer fofo, mas talvez algumas coisas surpreendam.

O mangá originou um dos animês mais elogiados de 2017, que teve 13 episódios produzidos pelo Kinema Citrus (de Barakamon), com dois longas-metragens compilando a temporada, lançados nos cinemas japoneses em janeiro de 2019. Você pode assistir ao animê e esses dois filmes de 2019 pelo serviço de streaming Hidive (é um título exclusivo da plataforma), da Sentai Filmworks, dona da licença nos EUA e possivelmente na América Latina toda.

Publicidade
close