Imagem: Susumu Kodai, o protagonista de 'Patrulha Estelar Yamato' e pedaço da nave ao fundo. Padrões de capa de resenha do JBox.

Crítica | Patrulha Estelar Yamato | Volume Único (NewPOP)

Mangá clássico chega ao Brasil em edição de luxo, mas pode decepcionar quem espera mais que uma edição caprichada.

No início dos anos 2000, quando os mangás chegaram com força ao mercado brasileiro através da Conrad e JBC, outras editora resolveram investir no filão. Uma delas foi a finada Ophera Ghrapica que colocou nas bancas títulos como Jam – As Justiceiras e Battle Angel Alita/Gunm.

Na ocasião, a editora chegou anunciar o lançamento do mangá Patrulha Estelar, mas o que vimos foi apenas o que seria a capa do primeiro volume em um catálogo de compras em revistas de animes da época. Aparentemente, todos os materiais made in japan licenciados pela mesma tinha origem contratual duvidosa e Patrulha Estelar nunca chegou a ser lançado.

Eis que praticamente 20 anos depois, finalmente o público brasileiro poderá ter acesso ao material, dessa vez em formato de luxo graças à NewPop.

Patrulha Estelar Yamato, chegou às lojas especializadas em abril deste ano, e nem preciso falar que se trata de um material abrigatório para os fãs da franquia de Leiji Matsumoto e Yoshinobu Nishizaki e para os colecionadores saudosistas, devido à sua importância e influência para inúmeras obras que viriam a seguir – mas, provavelmente, apenas pra esses dois grupos.

Imagem: O encouraçado Yamato e um balão dizedo "2199 D.C... Enfim, o encouraçado espacial Yamato revela toda sua extensão e imponência, deixando o solo terráqueo para trás e partindo rumo ao vasto espaço sideral, levando consigo toda a esperança da humanidade!".
Reprodução.

O título não é um completo desconhecido do público brasileiro, uma vez que o animê original ficou relativamente popular por aqui na metade dos anos 1980, quando foi ao ar pela Rede Manchete dentro do Clube da Criança, apresentado pela Xuxa. Ou melhor, parte da série, uma vez que das 3 temporadas clássicas apenas a segunda (adaptada dos EUA) e a terceira (essa sim a versão japonesa) vieram pra cá.

O primeiro grande charme do mangá é justamente contar a parte da história que não foi exibida na nossa TV – por mais que existam pessoas que juram de pés juntos que a primeira fase do animê passou sim via Record ou mesmo em fase experimental pela Manchete (como se o canal fosse desperdiçar uma série completa apenas em testes), não há provas em relação a isso.

A trama se passa no ano de 2199, quando o nosso planeta sofre com o ataque do Império Gamilas. Devido às bombas de radiação lançadas em nossa superfície (uma alusão aos ataques nucleares sofridos pelo Japão durante a Segunda Guerra Mundial), o que restou da população vive em cidades subterrâneas. Pra piorar a situação, dentro de um ano o planeta se tornará praticamente inabitável.

A última esperança da humanidade é uma misteriosa mensagem vinda dos confins do universo com as instruções para a criação de um motor de ondas, tecnologia que permitirá os humanos viajarem para o planeta Iskandar, onde enfim poderão ter acesso a um dispositivo que permitirá eliminar toda a radiação da superfície.

A tal tecnologia do motor de ondas é usada no encouraçado Yamato, um navio (que realmente existiu!) utilizado na Segunda Guerra Mundial pelos japoneses. É então que a tripulação do capitão Okita parte pra essa perigosa missão, porém o Império Gamilas fará de tudo para imperdir que cheguem a seu destino.

A princípio um dos pontos que pode não agradar a muitos é em relação à arte muito irregular de Leiji, principalmente no início do mangá. As figuras humanas são geralmente caricatas, não seguem uma proporção e a arte, muitas vezes mal acabada, parece ser feita por alguém sem muita habilidade.

Imagem: Sequência de quadros com Susumu e colega encontrando uma moça. Os diálogos são: "Ah!", "Nossa, que pessoa bonita...!", "Mas.. Está morta!", "Ela não é terráquea... Nunca vi um cabelo dessa cor.", "A cápsula também é diferente.", "Não é da Terra e nem de Gamilas.".
Reprodução.

A coisa muda de figura em relação às naves e batalhas espaciais: é ali que o autor mostra aquilo que realmente gosta de desenhar, e é visível que definitivamente ele tem um apreço maior por essa parte.

Como era de se esperar, a edição da NewPOP manteve os nomes em japonês, portanto os saudosos podem estranhar a substituição de Derek Wildstar por Susumu Kodai e afins, mas convenhamos, não há motivos para manter os nomes americanizados (além da nostalgia).

O outro ponto, e talvez o principal, capaz de decepcionar muita gente, é que a história basicamente não possui um fim. Depois da contar a saga do couraçado a caminho de Iskandar (como dito, aquela fase inédita por aqui em animê), tem início a saga em que o planeta Terra é atacado pelo Cometa Império, só que os mesmos nem chegam a ser apresentados oficialmente na obra – e isso acaba deixando uma grande interrogação nos leitores. Pra saber como tudo se desenrola, somente assistindo ao animê.

Por falar em história, em algumas partes da trama as resoluções de algumas situações podem frustrar o leitor, uma vez que do nada já aparecem solucionadas, sendo o ocorrido apenas explicado pelos personagens – a chegada em Iskandar, por exemplo, deveria ser o climax da primeira fase, mas do nada ocorre um pequeno timeskip e é apenas explicado o evento, deixando muita gente perdida, como se algumas páginas tivessem sido puladas.

A edição faz parte do selo NewPOP Prime, pelo qual já saíram Devilman e Cutie Honey, mantendo o mesmo padrão das obras anteriores: formato capa dura, papel pólen bold de grande qualidade e um número de páginas que justifica o preço: no caso de Yamato são nada menos que 648, trazendo todos os 3 volumes lançados originalmente no Japão entre 1974 e 1975 em uma edição única.

O preço sugerido é de R$96,40 porém, como já se passaram mais de 2 meses desde o lançamento é comum encontrar a obra com média de 20% (ou até mais) de desconto em sites como Amazon. Se lembrarmos que a maioria dos lançamento regulares de mangás passou a ter um preço médio padrão de R$29,90 por um tanko completo, o valor está muito atrativo, ainda mais por um material de capa dura, com páginas costuradas e papel de qualidade.

Como dito no início do texto, Patrulha Estelar Yamato não é uma obra que irá agradar a todos devido à arte um tanto “datada” e preguiçosa, e o desenvolvimento irregular de sua história, mas é uma daquelas publicações que merecem estar na estante de qualquer colecionador. Afinal, não é todo dia que uma obra de tamanha importância chega por aqui, menos ainda com uma edição tão caprichada.


Se interessou? Compre pelos nossos links:

Volume Único


Ficha Técnica

Imagem: Capa nacional de 'Paturlha Estelar Yamato'.
Divulgação: NewPOP.

Patrulha Estelar Yamato
R$ 96,90
Editora NewPOP
Status no Japão: Concluído em 3 volumes
Status no Brasil: Concluído em volume único
Licenciante: Akita Shoten/Tohan Corporation

 

Capa Dura
Formato: 21,6 x 16 x 5,6
Páginas: 648
Tradução: Thiago Nojiri
Editor-Chefe: Júnicor Fonseca


Esta resenha foi produzida com base no volume único de Patrulha Estelar Yamato, cedido como material de divulgação para o JBox pela editora NewPOP.


O texto presente nesta resenha é de responsabilidade de seu autor e não reflete necessariamente a opinião do site JBox.

Publicidade
close