Imagem: O Kamen Rider Black.

Kamen Rider: Produtor da Toei comenta planos de expansão internacional da franquia

Shinichi Shirakura comenta sobre as produções da série ‘Kamen Rider Black Sun’ e o filme ‘Shin Kamen Rider’.

No último dia 3 de abril, a Toei Company anunciou o animê FUUTO PI (baseado no mangá de Kamen Rider W), a série Kamen Rider Black Sun (reboot de Kamen Rider Black) e o filme Shin Kamen Rider. O site americano Variety entrevistou recentemente o produtor Shinichiro Shirakura, diretamente da sede da Toei em Tóquio.

No passado, a Toei tentou expandir a marca Kamen Rider através das séries Masked Rider (1995~96) e Kamen Rider: O Cavaleiro Dragão (2009), as adaptações americanas de Kamen Rider Black RX (1988~89) e Kamen Rider Ryuki (2002~03), respectivamente. Mas nenhuma delas vingaram. “Estamos tentando vender Kamen Rider não apenas para os Estados Unidos, mas também para o mundo. E como as produções de Power Rangers no passado, estamos fazendo isso principalmente com conteúdos de live action”, diz Shirakura.

Por enquanto, apenas FUUTO PI está confirmado para um lançamento internacional, em meados de 2022 pela Funimation. A versão brasileira da plataforma de streaming garantiu a exibição no Brasil (leia mais aqui).

Sobre Kamen Rider Black Sun, Shirakura disse que a Toei não está “visando nas crianças” e que a série vai ser “direcionada a adolescentes mais velhos e jovens adultos“. Provavelmente seguirá um caminho parecido com Kamen Rider Amazons (atualmente disponível no Brasil pelo Prime Video como Amazon Riders). Com direção de Kazuya Shiraishi (Kyoaku e The Blood of Wolves), a série que estreia no começo de 2022.

Será um novo tipo de série de super-heróis que os adultos podem assistir com uma cara séria. É como Christopher Nolan com Batman: O Cavaleiro das Trevas – ele poderia fazer um filme do Batman dessa forma porque é Christopher Nolan”, comenta o produtor, que complementou dizendo que “Shirashi não quer personagens que sejam puras criações CG“. Ou seja, eles terão performances humanas.

Shirakura finaliza a entrevista dizendo: “Queremos que Kamen Rider seja mais conhecido por pessoas em todo o mundo usando todos os meios necessários, seja o filme Shin Kamen Rider, de (Hideaki) Anno ou Kamen Rider Black (Sun), de Shiraishi ou a animação de (Hideaki) Tsukada (FUUTO PI)“.


Fonte: Variety


Sobre Kamen Rider Black

Imagem: Kamen Rider Black lutando contra um dinossauro.

Kamen Rider Black foi exibido pelas emissoras japonesas TBS e MBS, de 4 de outubro de 1987 a 9 de outubro de 1988, totalizando 51 episódios (e mais dois para o cinema). Sendo a oitava série da franquia dos motoqueiros mascarados, a proposta inicial era ser um “marco zero”. Ou seja, um novo começo e sem relação com seus antecessores (mas essa ideia logo foi descartada). A trama envolve os irmãos adotivos Issamu Minami (Kotaro Minami) e Nobuhiko Akizuki, que nasceram durante um eclipse solar e foram destinados a disputarem pelo título de Imperador Secular do satânico Império Gorgom. No dia em que completaram 19 anos, Issamu e Nobuhiko foram submetidos a uma metamorfose para se tornarem Black Sun e Shadow Moon, respectivamente. Apenas Issamu consegui escapar, mas adquiriu superpoderes. Como Kamen Rider Black, o jovem enfrenta os monstros da semana enviados pelos sacerdotes de Gorgom. O nascimento de Shadow Moon marca o início da fase final da série, marcada pela morte e ressurreição do “homem mutante”.

Em 1995, a Manchete exibiu a sua continuação, Kamen Rider Black RX (de 1988). Issamu Minami ganha novos poderes e passa a enfrentar os invasores espaciais do Imperio Crisis. Durante a trama, RX ganha duas formas: Robo Rider e Bio Rider. Black RX foi adaptado nos EUA para o bizarro Saban’s Masked Rider, que foi exibido no Brasil pelo extinto canal pago Fox Kids, ao mesmo tempo que a versão original era exibida na TV aberta. Atualmente os direitos de Black RX estão expirados desde quando a Disney era a detentora de Power RangersVR Troopers e Beetleborgs na década de 2000.

Publicidade
close