Imagem: Tanjiro Kamado em 'Demon Slayer'.

Ufotable, o estúdio de ‘Demon Slayer’, é formalmente acusado de sonegar impostos

Estúdio Ufotable teria sonegado um valor total de 137 milhões de ienes em impostos.

A Promotoria Pública de Tóquio formalmente acusou o estúdio ufotable e Hikaru Kondo (51), fundador e presidente do estúdio, de violar as leis que determinam os impostos sobre rendimentos corporativos e consumo (incluindo venda e circulação de bens, publicidade etc), sonegando 137 milhões de ienes (6,5 milhões de reais) em impostos. Pelo nosso entendimento, o processo é referente a investigações feitas desde 2019.

Em uma nota, o estúdio reconheceu ser alvo de um processo desde fevereiro do ano passado e alega já ter seguido os protocolos e pago os impostos devidos às autoridades. A empresa teria excluído parte das vendas em 2015, 2017 e 2018, sonegando 109 milhões em rendimentos, e também teria dito ser isenta do imposto sobre consumo entre 2014 e 2018, totalizando 28 milhões – resultando nos 137 milhões mencionados anteriormente.

Segundo matéria anterior do Mainichi Shimbum, Hikaru Kondo teria escondido em sua própria casa 30% da receita de alguns estabelecimentos temáticos de animês do estúdio, mencionando um valor de 139 milhões quando a investigação ocorria.

Algumas reportagens iniciais, lá de 2019, colocavam o valor sonegado em torno de 400 milhões de ienes (19 milhões de reais), alegando que o estúdio teria se apropriado de fundos para caridade feitos em função do terremoto de Fukushima em 2011. O caso foi investigado, mas nenhuma acusação formal foi feita.

O estúdio é responsável pela animação de Demon Slayer: Kimetsu no Yaiba, a atual febre do Japão.


Fonte: Kyodo, Mainichi via ANN

Publicidade
close