Imagem: Ultraman em fundo preto na capa da edição 134 da Coluna do Daileon.

O nascimento de Ultraman | Coluna do Daileon #134

Na véspera do Dia do Ultraman, saiba quais as curiosidades sobre o episódio que você jamais viu na TV!

10 de julho é um dia especial dedicado ao Ultraman, o maior super-herói da Terra e do gênero tokusatsu. A data tem um significado e tanto. Primeiro por ser o dia do aniversário de Eiji Tsuburaya* (1901~1970), como consta Master of the Monsters, biografia escrita pelo pesquisador americano August Ragone. Coincidência ou destino, foi na mesma data, há 55 anos, que o público japonês viu o gigante prateado pela primeira vez na TV.

Foi às 19h de um domingo, 10 de julho de 1966, que foi ao ar um especial de TV chamado Ultraman Tanjou (O Nascimento de Ultraman). O teatro Suginami Koukaidou, em Tóquio, recebeu o elenco principal que formaria a Patrulha Científica, além de monstros gigantes e o herói-titulo, é claro. A transmissão desse momento era em preto-e-branco e a criançada da época ficou entusiasmada.


Em 4 de julho de 1966, portanto seis dias antes do especial, a Fuji TV já tinha avançado ao passo de transmitir a primeira série tokusatsu em cores: Vingadores do Espaço (Magma Taishi), baseada no mangá original de Osamu Tezuka. Ultraman foi a segunda nesse formato, a partir de 17 de julho, quando o primeiro episódio – intitulado no Brasil como O Invasor da Galáxia – foi exibido pela primeira vez no Japão, pela TBS.

Imagem: Cena de 'Ultraman Tanjou'.
Cena do especial Ultraman Tanjou, transmitido ao vivo em 10 de julho de 1966 | Foto: Reprodução/TBS

A mesma emissora tinha acabado de exibir Ultra Q na mesma faixa dominical ocupada pelo bloco Takeda Hour (1958~74), patrocinado pela empresa farmacêutica Takeda. Por lá passaram séries tokusatsu como Gekko Kamen, Captain Ultra, Daiki Daisakusen, Silver Kamen, Iron King, Yojutsu Bugeicho, etc. Isso sem contar séries dos estilos drama e jidaigeki.

Eiji Tsuburaya havia alegado à emissora que não teria tempo hábil para o episódio de estreia ficar pronto até o dia 10 de julho. O fato era que os episódios eram gravados sem uma ordem sequencial (algo comum à época). Originalmente, o episódio final de Ultra Q estava programado para a mesma data, mas só foi exibido pela primeira vez na noite de 14 de dezembro de 1967.

Então, no início de junho de 1966, a emissora considerou algumas opções para cobrir a lacuna, para a Tsuburaya ganhar tempo com a finalização do primeiro episódio. Depois de reuniões entre o tripé formado pela TBS, a Tsuburaya e a Takeda, ficou decidida a exibição de um especial de Ultraman, transmitido ao vivo para todo o território japonês.

Imagem: A capa da pasta com o roteiro de 'Ultraman Tanjou'.
O rascunho final do roteiro para o especial Ultraman Tanjou | Foto: Divulgação

Dentre as ideias que surgiram no brainstorm, o roteirista Tetsuo Kinjo sugeriu a aparição dos três protagonistas de Ultra Q, que fariam uma despedida formal. Kinjo escreveu um segundo rascunho e finalmente um terceiro, descartando a maioria das ideias iniciais, devido a um conflito de agendamento.

Nessa versão, um vilão chamado Dr. Monster criaria uma máquina para trazer de volta os monstros de Ultra Q e se juntariam aos monstros de Ultraman. Curiosamente, Eiji Tsuburaya estaria sentado na plateia, antes de se apresentar no palco com o elenco da então nova série.

O primeiro episódio finalmente foi entregue à TBS em 13 de julho, faltando apenas quatro dias para ir ao ar. A coisa toda saiu no improviso, com prazo apertado, mas este nascimento de Ultraman serviu para promover o início de um grande clássico que continua atravessando gerações. E por um lado acabou sendo um contra-ataque à Fuji TV.

Ultraman Tanjou registrou 30.6% de audiêcia. Já a média de audiência de Ultraman foi de 36.8%, fazendo muito sucesso com seus 39 episódios exibidos semanalmente, com boas doses de ação, comédia, drama e ficção-científica. Quem diria que tanto sucesso formaria uma franquia com o passar de cinco décadas e meia, hein.

Ultraman é um clássico tão importante quanto Jaspion, por exemplo. Tão importante que ele não precisa de um segundo nome (“Ultraman Hayata” não existe, ok?) e ainda deu origem a uma série que ficou marcada na memória dos fãs brasileiros, Ultraman Tiga, que celebra 25 anos e será homenageada em Ultraman Trigger: New Generation Tiga, que estreia mundialmente esta noite pelo canal oficial da Tsuburaya no YouTube.

Vida longa e próspera ao herói dos heróis gigantes!

SCHWATCH!!!

Imagem: Ultraman frente e frente com Eiji Tsuburaya.
“I am your father.” | Foto: Divulgação

*Nota: a grande maioria do público considera o dia 7 de julho** como a data de aniversário de Eiji Tsuburaya. Porém, a alegação está ligada ao Tanabata, um tradicional festival que acontece sempre na sétima noite do sétimo mês do ano, celebrando o encontro das divindades Orihime e Hikoboshi – as respectivas estrelas de Vega e Altair –, mas a celebração dura de julho a agosto.

Durante o período Edo, o Tanabata acabou se misturando com o Obon, uma festividade budista para honrar os espíritos ancestrais, por ocorrerem na mesma época. Como disse uma vez Ragone em seu blog: um japonês dizer que alguém nasceu no dia de Tanabata, seria o mesmo que dizer que um americano nasceu no dia da independência.

O Tanabata é realmente de enorme importância no Japão, mas essa comparação não deve ser levada de forma literal, até porque o Tanabata, apesar de tradicional, não é um evento per se diretamente relacionado a patriotismo. O Ragone fez apenas uma analogia.

**Curiosidade: o dia 7 de julho é a mesma data de aniversário de Seiji Hokuto e Yoko Minami, hospedeiros do herói Ultraman Ace, da série homônima de 1972.


O texto presente nesta coluna é de responsabilidade de seu autor e não reflete necessariamente a opinião do site JBox.

Publicidade
close