Imagem: Logo antigo da Netflix ao centro. À esquerda o personagem Light de Death Note e à direita o personagem Naruto, da série homônima

10 anos de Netflix no Brasil: Quais foram os primeiros animês da plataforma? | J-Lista

Fazemos uma viagem temporal de uma década para relembrar o começo das animações japonesas na plataforma que mudou o consumo de entretenimento.

Há exatos dez anos a Netflix iniciava as suas atividades no Brasil, em 5 de setembro de 2011. Sinônimo de plataforma de streaming, só recentemente a empresa viu seu reinado ameaçado pelo esvaziamento de conteúdo provocado pelo nascimento de serviços de grandes conglomerados de mídia, como o Disney+.

Mas lá em 2013 ela já começou a se preparar para isso. Plantando a sementinha de uma estratégia de fortalecimento da marca, a Netflix lançou House of Cards, a sua primeira série original. De lá para cá vimos várias experiências da empresa bancando segmentos diversos. Um em particular, o animê, tornou-se um dos pilares do streaming para se diferenciar dos concorrentes.

Desde Devilman crybaby, primeiro animê com produção bancada pela plataforma em 2018, tornou-se comum vermos anualmente eventos onde a Netflix anuncia a parceria com um punhado de estúdios japoneses para as próximas séries exclusivas. Mas se hoje é normal ligarmos o streaming vermelho e vermos um cardápio considerável de produções animadas do Japão, lá no comecinho a coisa era bem tímida.

E aqui estamos, 10 anos depois, para lembrarmos a vocês quais eram os animês do primeiro mês de funcionamento da Netflix no Brasil. E pasme: tem título que continua no ar no momento de publicação desta matéria! Então vamos à lista e algumas curiosidades sobre a estada de cada um na dona do Tudum.

 

Beyblade

Imagem: Personagens de Beyblade em pose de batalha
Beyblade | Imagem: Divulgação

Em 2011:

Os piões possuídos pelo ritmo Ragatanga chegaram junto com a Netflix no Brasil na sua versão ocidentalizada pela Nelvana (que mudou nomes de personagens e trilha sonora, como quase todo animê de brinquedo dos anos 2000) que já conhecíamos das exibições pela Globo e Fox Kids. Com a dublagem original, estavam lá as três séries que compõem a “1ª geração” da franquia: Beyblade, Beyblade V-Force e Beyblade G-Revolution, totalizando 153 episódios.

A grande surpresa era que junto das séries também estava o 1º filme, inédito no país, Beyblade Fierce Battle. Porém, a exibição no streaming foi apenas legendada.

Hoje:

A turma do Tyson não está mais na Netflix, porém a franquia Beyblade segue firme no catálogo. Atualmente é possível assistir com dublagem a duas temporadas da geração mais recente, com Beyblade Burst e Beyblade Burst Turbo. O problema é só que a 2ª temporada, que fica no meio dessas duas, não está disponível.

E pra quem tem saudade dos piõesneiros (desculpa por essa), há duas formas de assistir aos episódios de forma gratuita e oficial. Uma delas é pelo serviço da Pluto TV, que disponibiliza a 1ª temporada. A outra forma é pelo canal da série no YouTube, que já adicionou a 1ª temporada completa dublada e está finalizando a 2ª. É bem provável que a 3ª venha logo em seguida.


Bakugan

Imagem: Personagens de Bakugan em pose de batalha
Bakugan Battle Brawlers | Imagem: Divulgação

Em 2011:

Por falar em animê de brinquedo, Bakugan era outra franquia do mesmo segmento que estava lá no nascimento tupiniquim da Netflix. Com a dublagem em português e versão também adaptada pela Nelvana, apenas a 1ª temporada, Bakugan Battle Brawlers, estava disponível com seus 52 episódios. A série já havia sido exibida pelo Cartoon Network e foi a saideira da Globo com os animês, sendo o seu último título inédito do gênero.

Hoje:

O primeiro Bakugan ficou muitos anos na Netflix, mas já não se encontra mais disponível. Porém, assim como Beyblade, a franquia segue presente pra vender suas bolinhas monstrengas pra Geração Alpha, agora com a série mais recente: Bakugan – Battle Planet (na plataforma está como Bakugan: Guerreiros da Batalha).

Apenas a primeira temporada, com 49 episódios, está disponível com dublagem. A série também é exibida pelo Cartoon Network, que estreou este ano a segunda temporada, Armored Alliance. Existe uma terceira fase, Geogan Rising, ainda inédita por aqui.


Death Note

Imagem: Light Yagami à esquerda, L à direita e ao centro e ao fundo o personagem Ryuuk
Death Note | Imagem: Divulgação

Em 2011:

Um título que virou meio arroz de festa de streamings e estava lá no nascimento da nossa Netflix é o já clássico Death Note (assumindo aqui que o animê já tem idade pra isso). A animação do Madhouse chegou com a opção de dublagem em português, a mesma exibida pelo extinto canal pago Animax.

Hoje:

Death Note teve idas e vindas no catálogo da Netflix, mas ainda está disponível no momento de publicação desta matéria e é bem provável que dure ainda um bom tempo por lá, mesmo tendo apenas 37 episódios. A série é uma das que nunca sai da listinha de “animês para recomendar praquela pessoa que não vê animê”.

Além disso, o controverso filme live-action bancado pela plataforma em 2017 garante a presença do desenho, com um programa levando ao outro por um desavisado de plantão. É comum que a Netflix mantenha a versão “original” (entre aspas porque o original mesmo neste caso é o mangá) junto de algum reboot ou derivado que ela venha a produzir – caso do vindouro One Piece.

Mas a oferta de Death Note nos streamings vai muito bem, obrigado. É possível assistir tanto a versão dublada quanto legendada nos streamings de animê Crunchyroll e Funimation. Três filmes live-action japoneses também estão disponíveis legendados na Netflix e com dublagem no Telecine Play.


Guyver

Imagem: Guyver à direita e à esquerda o hospedeiro humano Sho em tons de vermelho
Guyver: The Bioboosted Armor | Imagem: Divulgação

Em 2011:

Uma surpresa aleatória naquele catálogo era a estreia de Guyver: The Bioboosted Armor, a última adaptação animada do mangá de 1985, lançada no Japão em 2005. Se trata de uma série de 26 episódios produzida pelo OLM (estúdio de Pokémon), que na Netflix foi exibida apenas com legendas.

Hoje:

Guyver ficou pouco tempo no catálogo da Netflix e hoje está na Funimation. O personagem é famoso pelos fãs de animês sanguinolentos, sendo um ícone da carnificina na virada dos anos 1980 para os 90. Apesar disso, pouca coisa da obra veio para cá. Uma delas foi o segundo filme live-action americano, lançado por aqui dublado em VHS com o título de Guyver: O Herói das Trevas.


Supercampeões (2001)

Imagem: O pequeno Oliver Tsubasa salta ao centro da imagem com uma bola de futebol e seus companheiros aparecem ao fundo em um céu aberto
Supercampeões | Imagem: Divulgação

Em 2011:

Oliver Tsubasa deu seu primeiro chute na estreia da Netflix no Brasil de um jeito muito peculiar. A série disponível era a mais recente da época, a Captain Tsubasa Road to 2002, produzida no Japão em 2001 e que por aqui chegou primeiro em DVD e depois ganhou exibições pelo Cartoon Network e RedeTV! com uma dublagem cheia de problemas.

E dublagem foi justamente o problema de Supercampeões no streaming. Por alguma questão nunca esclarecida, a versão brasileira não estava presente e o usuário só tinha a dublagem em espanhol disponível. A distribuição era da Televix, que recentemente também colocou episódios inéditos de InuYasha no Prime Video só em espanhol. Só que Supercampeões não tinha dublagem inédita na época, né…

Hoje:

A Netflix não tem mais nenhum animê de futebol pra chamar de seu, mas nem por isso nossos peladeiros mais famosos dos animês estão sem casa no Brasil. ‘Road to 2002’ está disponível, agora sim com a dublagem em português (sinceramente, nem sabemos se isso é realmente algo bom), no catálogo do Looke.

O remake de 2018, que aqui ficou com o nome original mesmo, Captain Tsubasa, é exibido dublado e legendado na Crunchyroll e está atualmente na programação do Toonami no Cartoon Network. Apenas dublada, essa série mais recente está também no Amazon Prime Video.


Paprika

Imagem: Protagonista do filme Paprika caindo do céu com um sorriso
Paprika | Imagem: Divulgação

Em 2011:

Último longa-metragem do saudoso diretor Satoshi Kon (de Perfect Blue), Paprika esteve na Netflix com sua dublagem – que já havia saído em DVD e Blu-ray por aqui naquela época, além de rodar canais a cabo.

Hoje:

Exibido bastante nos canais do grupo HBO até 2019, Paprika se encontra atualmente fora de catálogo da Netflix (embora a página do filme ainda esteja lá em standby), bem como de todas as concorrentes. No entanto, é possível assistir a outra obra marcante de Satoshi Kon, Padrinhos de Tóquio (Tokyo Godfathers), legendado na plataforma de streaming.


Naruto

Imagem: Sakura, Naruto e Sasuke correm.
Naruto | Imagem: Divulgação

Em 2011:

Encerrando nossa lista, o principal nome entre os animês da estreia da Netflix por aqui foi Naruto. Apesar de que, nesse começo, as coisas não estavam muito felizes. Acontece que a Netflix exibia na época a versão censurada da Viz Media, a mesma que passou também no SBT e no Cartoon Network.

Além disso, apenas a 1ª temporada dessa versão estava disponível, totalizando 52 episódios.

Hoje:

Da estreia da Netflix pra cá, Naruto só deixou o catálogo por poucos dias no fim de setembro de 2014. O seu retorno já em 1º de outubro daquele ano trazia finalmente a 2ª temporada (sim, foram 3 anos tendo apenas a primeira por lá). A novidade foi que o pacote de episódios trouxe a versão sem censura e com abertura e encerramento originais.

Em seguida, a Netflix fez a substituição dos primeiros episódios também pela versão sem cortes, com a dublagem inserida na matriz japonesa. Em 2015, finalmente a plataforma concluiu a primeira série, que se encontra ainda hoje disponível com seus 220 episódios sem sinais de que deixarão o catálogo.

Mesmo em qualidade SD, o pequeno ninja segue abarrotando diferentes gerações de espectadores e essa mesma versão também pode ser encontrada na Crunchyroll.

A série da infância do pai do Boruto também está em exibição em um canal dedicado no streaming gratuito da Pluto TV, porém… Lá está aquela velha versão censurada da Viz que a Netflix felizmente descartou.

Sorte mesmo não teve a sequência, Naruto Shippuden. As primeiras temporadas dubladas foram adicionadas à Netflix ainda em 2015 e de lá pra cá nada de novo brotou. A Funimation possui essa mesma fase.

Publicidade
close