Imagem: Protagonista de Digimon GHost Game, Luffy de One Piece e Yui de Delicious Party Precure.

‘One Piece’, ‘Digimon Ghost Game’ e ‘Precure’ também são adiados devido a hack à Toei

Toei Animation foi alvo de um ataque hacker no dia 6 de março.

Como já temido por muitos, One Piece, Digimon Ghost Game e Delicious Party Precure, da Toei também foram adiadas devido a uma ataque hacker às redes da empresa – o mesmo que ocorreu com Dragon Quest: Dai. Todas as animações foram adiadas por ao menos uma semana, com a possibilidade de haver mais adiamentos.

O acesso não autorizado teria ocorrido no dia 6, e a empresa deve estar investigando quais os efeitos dessa invasão e como agir frente ao caso. É possível que outras produções, ainda em andamento, também tenham sido afetadas – como o filme Dragon Ball Super: Super Hero –, mas a Toei ainda não deu detalhes se séries já anunciadas também podem sofrer algum tipo de atraso.

Não está ainda muito claro, ao menos para o público, exatamente o que aconteceu e quais os efeitos disso a curto, médio e longo prazo.


Fonte: ANN


DIGIMON

Inspirado no popular Tamagotchi, Digimon surgiu em 1997 pela Bandai, como uma série de bichinhos virtuais que também podiam batalhar. Em 1999 a Toei Animation lançou uma série animada derivada, sob o título de Digimon Adventure.

Creditada a uma equipe criativa denominada como Akiyoshi Hongo, Digimon Adventure fez sucesso suficiente para render uma continuação no ano seguinte, com Digimon 02. Depois foi a vez de Digimon Tamers Digimon Frontier, séries que possuíam seus próprios enredos, sem dar continuidade às duas primeiras. Após uma pausa, o título voltou com mais uma série original em 2006, intitulada de Digimon Savers (Data Squad no Ocidente). Entre 2010 e 2012 foi a vez de Digimon Xros Wars (Fusion) e em 2016 chegou Digimon Universe: App Monsters.

Trazida ao Brasil como forma de contra-ataque à mania PokémonDigimon ganhou grande destaque na programação da Rede Globo a partir de julho de 2000, sendo exibido também pelo extinto canal pago Fox Kids. Dublada nos lendários estúdios da Herbert Richers, foi um enorme sucesso comercial, rendendo inúmeros produtos estampados com a marca, como materiais escolares, alimentos, revistas, jogos e brinquedos.

Parte dos episódios da 1ª série foi lançada em DVD pela Focus Filmes. Atualmente, pode ser vista na íntegra com a dublagem original pelo serviço de streaming Looke. Entre 2015 e 2018, uma série de 6 filmes foi lançada, trazendo os personagens da série original na adolescência. Chamada de Digimon Adventure tri., foi exibida aqui no Brasil com os filmes divididos em episódios de meia hora, através da Crunchyroll.

Em 2020, entrou no ar um reboot da série original, intitulado Digimon Andventure:. Logo após o fim do reboot, em 2021, veio Digimon Ghost Game, ainda no ar. Ambos estão disponíveis na Crunchyroll.


ONE PIECE

One Piece é uma obra de autoria de Eiichiro Oda. O mangá original começou a ser publicado na revista Shonen Jump em julho de 1997 e tornou-se um fenômeno mundial. Na história, acompanhamos as aventuras do pirata Monkey D. Luffy e de sua tripulação, os Chapéus de Palha, que navegam o mundo à procura do “One Piece”, o tesouro perdido do antigo Rei dos Piratas, Gol D. Roger, enquanto enfrentam diversos piratas e o Governo Mundial.

No Brasil, o mangá foi publicado pela primeira vez no formato “meio-tanko” pela Conrad Editora, que interrompeu a publicação na 70° edição (correspondente à 2ª parte do volume 35 no original japonês). Em 2012, a série foi relançada pela Editora Panini, seguindo o formato original japonês, e conta atualmente com 99 volumes encadernados lançados (no Japão são 101 atualmente).

A versão em animê é produzida pelo estúdio Toei Animation (Dragon Ball Z) e exibida oficialmente via streaming pela Crunchyroll, com legendas em português, e na Netflix, com opção dublada.


PRETTY CURE

Precure

Imagem: Banner com as duas protagonistas de 'Futari wa Precure'.

A franquia Precure ou Pretty Cure começa com Futari wa PreCure em 2004, uma série produzida pela Toei Animation, criada por uma equipe criativa da empresa intitulada de Izumi Todo.

O sucesso dos 49 episódios fez com que não só uma sequência fosse produzida, como inaugurou uma das mais bem sucedidas franquias de garotas mágicas, com 15 séries diferentes divididas em 18 temporadas (Futari wa Precure e Yes! PreCure 5 tiveram sequências), vários filmes e produtos.

Já nos anos 2000, tentaram negociar a vinda da 1ª série Pretty Cure com canais de TV brasileiros, porém nenhuma emissora topou a exibição. Anos mais tarde, em 2015, a Saban Brands adquiriu os direitos para uma adaptação de Smile PreCure! (fase de 2012), fazendo uma série de edições, alterando nomes e trilha sonora para transformar o produto em Glitter Force.

Sob alvo de muitas críticas, o animê teve exibição exclusiva pela Netflix e ganhou um item bastante desagradável por aqui: uma dublagem em português feita fora do Brasil, além dos cortes criticados por todos os fãs da série internacionalmente.

Mesmo assim, a parceria com a Saban ainda rendeu a adaptação de mais uma temporada, com Glitter Force: Doki Doki (DokiDoki! PreCure), que até se salvou um pouco por aqui, com uma dublagem feita no Rio de Janeiro. Mas a essa altura a empresa de Haim Saban já não estava mais empenhada na marca, devolvendo-a para a Toei em 2017.

Healin’ Good foi a primeira série a chegar em simulcast (com atraso, mas foi) e trouxe a 15ª geração de heroínas. Já Tropical-Rouge, a 16ª geração, foi a primeira exibida do início ao fim em modelo simultâneo.

Delicious Party, a 17ª geração, traz uma temática gastronômica, com as Cure Precious, Cure Spicy e Cure Yum Yum, cujas identidades civis são Yui Nagomi, Kokone Fuwa e Ringa Hanamichi, respectivamente.

Os pais de Yui são donos de um restaurante de pratos feitos, já Kokone é filha de donos de um restaurante chique. Por fim, a família de Ringa possui uma casa de lámen. A série ainda não foi anunciada por nenhum streaming por aqui.

Para os mais interessados, temos um guia sobre a série aqui.

Publicidade
close