imagem: ilustração de Astro Boy.

Astro Boy: Animê de 2003 chega à Pluto TV neste domingo

Série estreia com 2 episódios e exibição diária.

A Pluto TV anunciou hoje (11) que a versão de 2003 do clássico animê Astro Boy chegará à plataforma gratuita. A estreia acontecerá no próximo domingo (17), às 20h40, dentro da programação do canal Pluto TV Anime.

A exibição será todos os dias, com dois episódios seguidos. Ainda não foi confirmado, mas é possível que a série chegue no on demand futuramente.

Astro Boy acompanha um menino robô, criado a partir da imagem do filho falecido de um cientista. Com poderes atômicos, o pequeno Astro acaba por se tornar um super-herói, lutando pela paz em um mundo compartilhado por humanos e robôs.

Essa versão de 2003 chegou a ser exibida anteriormente no Cartoon Network (a partir de 2004), Globo (dentro da TV Globinho em 2005) e, mais recentemente, pela finada Loading (a partir do fim de 2020). Nos streamings, já figurou no catálogo da Crackle e em DVD foi lançado por completo pela Sony.

Go Astro Boy Go!, versão mais recente para o público pré-escolar, ganhou dublagem brasileira com exibição, até o momento, restrita ao Japão.


Fonte: AnimationInfo


Um dos maiores clássicos da animação japonesa, Tetsuwan Atom, ou Astro Boy, como conhecemos do lado de cá, é uma criação do “deus do mangá” Osamu Tezuka, que publicou o mangá original entre abril de 1952 e março de 1963.

A primeira série, datada de 1963 e inédita por aqui, é considerada o primeiro animê no formato de programa comercial de meia hora para TV. No Brasil, assistimos pela Record, nos anos 1980, O Menino Biônico (Jetter Mars), uma “versão genérica” do Astro criada pelo próprio Tezuka junto à Toei Animation. Em 2003, tivemos um remake do herói original, que passou aqui pelo Cartoon Network, Rede Globo e Loading, além de ter sido lançado completo em DVD e exibido pelo streaming do Crackle.

Em 2007, três volumes de um mangá de AstroBoy foram lançados no Brasil pela Panini. O título em questão é uma releitura de Akira Himekawa, portanto a obra original de Tezuka continua inédita por aqui.

Em 2009 foi lançada uma versão em CG para os cinemas, sob responsabilidade do estúdio Imagi, de Hong Kong (que também fez aquele longa animado das Tartarugas Ninja). O filme era a grande aposta da Imagi para garantir sua sobrevivência e concluir outro projeto, um longa CG baseado no clássico Gatchaman. Infelizmente a bilheteria foi baixa e o estúdio fechou as portas no ano seguinte.

Em 2012, um especial da Turma da Mônica Jovem reuniu figuras como Kimba, o próprio Astroboy e a Princesa Safiri (de A Princesa e O Cavaleiro) com Mônica, Cebolinha e os demais em uma história ecológica. Novos crossovers surgiram anos depois nos quadrinhos.

Publicidade
close