Imagem: Montagem com Link e Ms Pacman.

‘Zelda: Ocarina of Time’ e ‘Ms. Pac-Man’ entram no Hall da Fama dos videogames

Games de 1998 e 1982, respectivamente, foram reconhecidos pelo impacto na indústria de jogos.

O Strong, um “Museu Nacional da Jogatina”, localizado em Nova Iorque, incluiu The Legend of Zelda: Ocarina of Time (1998) e Ms. Pac-Man (1982) no Hall da Fama dos Videogames do Mundo (The World Video Game Hall of Fame®).

Além dos dois, também foram inclusos Dance Dance Revolution (1998), e Sid Meier’s Civilization (1991). No ano passado, Animal Crossing (2001) conseguiu o feito.

O Hall é para reconhecer jogos com grande influência na indústria ou na cultura popular. Segundo descrito, qualquer jogo pode ser indicado, mas a seleção passa por um comitê internacional composto por acadêmicos, jornalistas e outros indivíduos “familiarizados com a história dos videogames”.

The Legend of Zelda: Ocarina of Time

Ocarina saiu em novembro de 1998 para o Nintendo 64, sendo o primeiro Zelda com gráficos 3D. A direção incluía Eiji Aonuma e Yoshiaki Koizumi.

O jogador controla Link, um jovem criado na floresta Kokiri que parte em uma missão atrás da Princesa Zelda. Determinado a parar o maligno Ganondorf, Link alterna entre passado e presente para salvar o reino de Hyrule.

Esse jogo introduziu uma série de elementos hoje considerados básicos nos jogos 3D, como botões sensíveis a contexto (o mesmo botão executa funções diferentes, dependendo do contexto) e sistema de fixar alvo. A recepção foi ótima entre críticos e fãs, sendo um dos Zelda mais bem recebidos de todos os tempos.

Em 2003, o jogo chegou ao GameCube como parte da The Legend of Zelda: Collector’s Edition, que ainda vinha com Zelda I, Zelda II, Majora’s Mask e uma demo de Wind Waker. Em 2007, ele entrou no Virtual Console (VC) do Wii e posteriormente ficou disponível via Club Nintendo e no VC do WiiU. Em 2011, foi lançado o remake The Legend of Zelda: Ocarina of Time, para Nintendo 3DS. No ano passado, chegou ao Nintendo Switch via pacote adicional online.


Ms. Pac-Man

Ms. Pac-Man saiu em 1982 como arcade, sendo uma sequência a Pac-Man (1980) e o primeiro jogo da franquia não desenvolvido pela Namco – as americanas GCC e Midway assumiram a responsabilidade pelo jogo. A estrela do game é a esposa do Pac-Man, chamada Ms. Pac-Man (“senhora Pac-Man”). O jogador precisa comer as pelotas do labirinto e evitar os fantasmas

Com a mesmo ideia do Pac-Man, o jogo foi aclamado por melhorias na jogabilidade e também por trazer uma protagonista feminina. Ele também deu origem a uma série de produtos, e foi o pontapé para diversos outros jogos da personagem, como Ms. Pac-Man Maze Madness (2000) e Ms. Pac-Man: Quest for the Golden Maze (2001).

Pac-Man (Puckman) surgiu para o mundo nos arcades, em uma criação de Toru Iwatani para a então Namco (hoje Bandai Namco). Desde então, a mecânica foi reproduzida diversas vezes em dezenas de plataformas de jogos.

Ainda nos anos 1980, ganhou uma série animada pelo estúdio Hanna-Barbera e mais pra frente, em 2013, mais uma animação, dessa vez em computação gráfica, intitulada Pac-Man e as Aventuras Fantasmagóricas. Ambas foram exibidas no Brasil, sendo que a última está disponível atualmente pelo Amazon Prime Video.


Fonte: ANN

Publicidade
close