imagem: ilustração de Shinichi e Migi, de Parasyte.

Parasyte: Animê é removido da Netflix

Série cumpriu ciclo de 2 anos na plataforma e agora segue apenas legendada na Crunchyroll.

Seguindo a data revelada na própria plataforma, a Netflix removeu de seu catálogo a série Parasyte -the maxim-, a partir do primeiro minuto deste dia 15. Com isso, a versão dublada do animê fica sem transmissão oficial no momento — a versão original com legendas em português segue disponível na Crunchyroll, enquanto o HIDIVE exibe somente com legendas em inglês.

imagem: página de Parasyte com aviso de remoção
Tela de Parasyte na Netflix com o aviso de remoção. | Imagem: Reprodução

Parasyte chegou a figurar entre as séries mais assistidas do streaming na época de seu lançamento, em maio de 2020. Entretanto, a não renovação de seu contrato era esperada por conta da recente aquisição da Sentai Filmworks (distribuidora do animê) pela AMC. Diversas séries do mesmo grupo deixaram a Netflix recentemente, como Akame Ga Kill!, DanMachi e No Game No Life.

O mesmo movimento de “esvaziamento” do portfólio da Sentai ocorreu em março na Crunchyroll, quando dezenas de títulos deixaram o catálogo. Curiosamente, Food Wars! Shokugeki no Soma, que teve as duas primeiras temporadas legendadas removidas da “plataforma laranja”, ainda está com o mesmo pacote disponível na Netflix com dublagem — o que pode não durar muito tempo.

Vale lembrar que a Sentai Filmworks é dona de sua própria plataforma de streaming, o já citado HIDIVE, que ainda é bem tímido com sua proximidade com o Brasil. Aqueles que quiserem assinar o serviço precisam pagar em dólar e não há muitas opções em nosso idioma (embora tenha havido a recente estreia de uma dublagem para Lupin III: Part 6 por lá).


Fonte: Netflix


Sobre Parasyte

Imagem: ilustração com personagens de Parasyte
Imagem: Divulgação/Madhouse/Kodansha

Produzido pelo estúdio Madhouse (de Death Note) em 2014, o animê de Parasyte adapta o mangá de Iwaaki Hitoshi, publicado no Japão muito antes de virar animação, entre 1989 e 1995. Em 10 volumes, a obra original chegou ao Brasil pela Editora JBC.

A história nos revela uma invasão alienígena de parasitas que controlam o cérebro de suas vítimas. Um desses parasitas entra no corpo de Shinichi, um estudante comum, porém acaba controlando apenas seu braço direito. Shinichi, depois de ter seu corpo invadido, acaba sendo obrigado a batalhar contra humanos (e até animais) controlados por parasitas.

A série não tem nenhuma relação com o filme sul-coreano Parasita, premiado como melhor filme no Oscar de 2020.

Acesse aqui o nosso ensaio sobre o animê.

Publicidade
close