imagem: ilustração de Astro Boy.

Astro Boy: Governo remove icônica arte de rua de Tóquio

Em contato com secretaria, foi confirmada a remoção da arte, mas não foi explicado o motivo.

Quem decide qual arte pode ou não pode ficar nos muros das ruas? Geralmente, o governo. Mas não há uma diretriz certa: uma arte feita irregularmente pode agradar e ficar, ou ser simplesmente considerada poluição visual.

Apesar de muitos acharem que o Japão é um país muito diferente nisso, na verdade, essas coisas também acontecem. Em Shibuya, havia uma arte do Astro Boy que caiu no gosto do povo e permaneceu na rua. No entanto, na última semana, muitos notaram que ela sumiu.

Imagem: GRafite de astro boy visto pelo google maps.
Via Google Maps.

O veículo de notícias J-Cast News foi atrás do que aconteceu e descobriu, com a Divisão de Melhoria Ambiental de Shibuya, que a arte foi removida na madrugada do dia 17 de junho, mas não foi informado o motivo, ou se sabiam algo sobre quem criou a arte.

A remoção parece ter sido feito profissionalmente: o artista que as colocou lá geralmente utiliza azulejos colados com adesivo para concreto para colá-las, então para retirá-la leva tempo e é preciso um solvete necessário. Não se sabe nada sobre esse artista, além de ser um francês que assina como Invader.


Fonte: SoraNews


Um dos maiores clássicos da animação japonesa, Tetsuwan Atom, ou Astro Boy, como conhecemos do lado de cá, é uma criação do “deus do mangá” Osamu Tezuka, que publicou o mangá original entre abril de 1952 e março de 1963.

A primeira série, datada de 1963 e inédita por aqui, é considerada o primeiro animê no formato de programa comercial de meia hora para TV. No Brasil, assistimos pela Record, nos anos 1980, O Menino Biônico (Jetter Mars), uma “versão genérica” do Astro criada pelo próprio Tezuka junto à Toei Animation. Em 2003, tivemos um remake do herói original, que passou aqui pelo Cartoon Network, Rede Globo e Loading, além de ter sido lançado completo em DVD e exibido pelo streaming do Crackle.

Em 2007, três volumes de um mangá de AstroBoy foram lançados no Brasil pela Panini. O título em questão é uma releitura de Akira Himekawa, portanto a obra original de Tezuka continua inédita por aqui.

Em 2009 foi lançada uma versão em CG para os cinemas, sob responsabilidade do estúdio Imagi, de Hong Kong (que também fez aquele longa animado das Tartarugas Ninja). O filme era a grande aposta da Imagi para garantir sua sobrevivência e concluir outro projeto, um longa CG baseado no clássico Gatchaman. Infelizmente a bilheteria foi baixa e o estúdio fechou as portas no ano seguinte.

Em 2012, um especial da Turma da Mônica Jovem reuniu figuras como Kimba, o próprio Astroboy e a Princesa Safiri (de A Princesa e O Cavaleiro) com Mônica, Cebolinha e os demais em uma história ecológica. Novos crossovers surgiram anos depois nos quadrinhos.

Publicidade
close