Yu Yu Hakusho

[div coluna1]Yu Yu Hakusho
(As Aventuras do Fantasma Brincalhão)
Produção: Studio Pierrot, 1992
Episódios: 112 p/ tv
Criação: Yoshihiko Togashi
Exibição no Japão: Tv Fuji (10/10/1992-07/01/1995)
Exibição no Brasil: Manchete – Rede Tv! – Cartoon Network – Rede 21 – Band
Distribuição: Tikara Filmes (Primeira) – Cloverway (Tv Paga)
Mangá: Shonen Jump
Disponível em: Dvd

Última Atualização: 16/06/2007

Por Tio Cloud e Larc

No final de 1990, na edição 51 da revista Shonen Jump, para ser mais exato, começou a ser publicada uma curiosa história de autoria do até então desconhecido Yoshihiro Togashi (que mais tarde, viria a se casar com Naoko Takeuchi, autora de Sailor Moon). O mangá contava a história de Yusuke Urameshi, um moleque arruaceiro que só sabia aprontar na escola (e colecionar rivais de briga). Só que tudo muda quando ele, ao tentar salvar um garotinho de um atropelamento, acaba batendo as botas. Como não era seu dia de morrer, ele acaba tendo a chance de voltar à vida, mas para isso terá que fazer algumas tarefas, sob a instrução de Botan, a Deusa da Morte, que voa sentada em um remo (ué, num era pra ser uma foice? XD). Assim começa Yu Yu Hakusho, um dos mangás/animes de maior sucesso da década de 90 tanto no Japão como por aqui.

Após receber a chance da ressurreição, o espírito de Yusuke, sempre acompanhado por Botan, passa a presenciar situações sempre envolvendo a morte, e de alguma forma, tenta ajudar a pessoa em questão a superar tal dificuldade. Só que, como todo mundo deve saber, a Shonen Jump é uma revista voltada aos moleques pré-aborrecentes, e o público alvo não estava interessado em ver Yusuke envolvido em tais problemas. Queriam era porrada, sangue e ação, na mesma medida de títulos como Dragon Ball Z, publicado na época. Togashi levou um puxão de orelha da Shueisha (editora da Jump) e a história mudou verticalmente para um “DBZ Espiritual”.

Situações como essa não são incomuns no Japão. Sempre que uma história não está seguindo o rumo desejado, lá vem um japa engravatado meter o dedo onde não devia. Quer exemplos? Em Dragon Ball Z, Akira Toryama queria terminar a série na Saga Cell (bem que deveria…), mas como os grandões lá de cima não queriam ficar sem sua mina de ouro, fizeram com que o autor desse seqüência à história com a Saga Boo. Toryama decidiu então que Gohan seria o personagem central da trama, mas novamente os chefes meteram o dedo pra que colocassem Goku em evidência novamente. Safadeza? Talvez sim, mas quando a torneira começa a secar eles não vêem outra alternativa. O próprio Togashi foi vítima do “esquema” pela segunda vez: quando Yu Yu estava no auge, na Saga Torneio das Trevas, o autor queria encerrar a obra. Como os patrões não deixaram, Togashi continuou a saga meio que sem vontade e daí por diante o mangá (e consequentemente o anime), perderam um pouco o pique – ou vai dizer que você não acha que o Torneio do Inferno podia render bem mais do que rendeu?

Com a “forçada de barra”, Yu Yu Hakusho encerrou-se em 1994, na edição 32 da Jump, rendendo 19 volumes encadernados. O título chegou ao Brasil em novembro de 2002 pela editora JBC que publicou a obra na íntegra (mesmo com uma temporária paralisação no número 14), onde foram lançadas 38 edições. A versão nacional teve o dobro de edições da japonesa devido ao número de páginas – metade do original. Vale destacar que as edições pares tiveram as capas feitas no Brasil, e algumas delas ficaram bem mais bacanas que as originais. A editora ainda publicou por aqui 3 edições especiais de Yu Yu intituladas Anime Comics. A revista trazia uma fotonovela em quadrinhos do filme (dividido em 2 edições) e do único ova da série.

Em acetato
A versão animada estreou em outubro de 1992 na Tv Fuji e ficou a cargo do Studio Pierrot (que ficou bastante famoso e é responsável por hits como Bleach e Naruto). O maior mérito do anime foi conseguir superar Dragon Ball Z em números de audiência (já que os dois não eram exatamente concorrentes, pois eram exibidos em dias diferentes). Enquanto DBZ patinava na casa de 16 pontos, Yu Yu conseguiu a proeza de chegar aos 18/19, uma marca notável, visto que acima disso haviam somente Doraemon e Sazae San, com pouco mais de 20 pontos.

Com o sucesso do anime, foram lançados tudo quanto é tipo de produto derivado da série (afinal estamos falando do Japão, né?), mas os que ficaram mundialmente famosos (até aqui no Brasil, anos antes do anime chegar) foram os jogos para diversas plataformas como Super Nes (Super Nintendo, ok?), Mega Drive e Game Boy. Isso sem falar que o personagem Kurama continuou figurando na galeria dos personagens mais queridos pelo público japa (segundo revistas como Newtype e Animage), mesmo se passado mais de 10 anos do fim da série. O anime terminou em janeiro de 1995, com chave de ouro, no auge da popularidade.

A versão animada manteve-se fiel ao mangá, exceto no início: na tevê, a parte inicial em que Yusuke ajuda algumas pessoas (aquela que a Shueisha torceu o nariz) foi podada pra apressar a ressurreição do rapaz. Tudo isso pra chegar rapidamente à parte da pancadaria, que é o que dá audiência e vende brinquedos.

Além da série, Yu Yu rendeu ainda um OVA sem nome de 25 minutos, conhecido no Brasil popularmente como “O Resgate de Koenma” e mais um longa metragem popularmente chamado apenas de Yu Yu Hakusho: The Movie (quando na verdade o título é Yu Yu Hakusho: Meikai Shito Hen – Hono No Kizuna) lançado nos cinemas japoneses quando a série estava no auge. Como era de se esperar, esses especiais não tem ligação direta com a série de tv. Existem ainda compilações com os melhores momentos da série, embalados pela ótima trilha sonora do anime entitulados Eizou Hakusho I e II. Caça-níqueis totais pra arrancar o máximo de dinheiro dos fãs. =P

A historinha
Vamos à um panorama geral da série: Yusuke Urameshi é um garoto que pode ser considerado um típico anti-herói: arruaceiro, não gosta de estudar, adora uma briga e vivia aprontando confusão na escola. Um dia, Yusuke morre ao tentar salvar um garotinho de ser atropelado por um carro. Como nem o céu esperava essa atitude, e o rapaz tem a chance de voltar à vida, só que na forma de um Detetive Sobrenatural. Como um detetive, ele teria que combater demônios e outros seres malignos que ameaçavam os seres humanos.

Logo no início da série, Yusuke depois de ressuscitado precisa encarar Kurama (um dos personagens mais queridos dos animes de todos os tempos @[email protected]) e Hiei – que aparecem na abertura e você logo nota que vão ser bonzinhos XD. Ainda com poucos poderes, Yusuke e seu ex-rival de briga Kuwabara, participam do torneio de sucessão da mestra Genkai e depois de vencer uma série de lutas, o rapaz marrento se torna discípulo da velha – ao mesmo tempo que Kuwabara descobre possuir poderes de manipulação de energia espiritual (o bom e velho Ki). A gangue se une toda para encarar o melhor arco de toda a série pra muitos fãs: O Torneio das Trevas. A óbvia batalha final entre o Time do vilão Toguro e da turma de Yusuke era tão aguardada e de certa forma imprevisível (mesmo com a Herói querendo estragar com seus resumecos :P) que acho que todo adolescente no Brasil sintonizou a Manchete pra ver o festival de porradaria que eram as lutas que desenrolavam-se nesses episódios clímax. Digo isso porquê a Manchete registrou excelentes índices de audiência na época (algo em torno dos 7 pontos!) duelando com novelas globulais.

Depois de Toguro, o vilão que passa a dar trabalho pra galera do além é Sensui, que quer abrir uma passagem do mundo das trevas para a Terra. Depois de um engromation – coisa que não tinha no Torneio das Trevas – a coisa começa a esquentar bastante (com direito a Koenma tirando chupeta e tudo!) e vemos então Yusuke morrer e o plano de Sensui sair vitorioso. Como todo bom anime de ação, o protagonista não pode ficar morto por muito tempo e depois da turma bater e apanhar bastante, Yusuke pinta no pedaço novamente e começa uma seqüência de porradaria estonteante e animalesca em pleno inferno, que termina com um incorporado Yusuke aniquilando seu maior oponente (nem Toguro foi tão osso duro!). Quem assistiu não esquece de jeito algum e garanto que vibrava com cada soco desferido pelo bad boy.

Mas é na última saga que ocorrem as mais importantes revelações. Descobrimos que Urameshi é na verdade é filho de um demônio chamado Raizen, e vai pro mundo das trevas saber mais do seu passado. Também descobrimos o passado de Hiei e Kurama, e a história é fechada com mais um torneio. Só que diferente do anterior, as coisas parecem ocorrer com muito mais pressa e lutas que todos achavam que seriam animais foram até decepcionantes (Hiei vs Mukuro por exemplo). Apesar disso, o final da série é antológico (como esquecer aquelas cenas na praia?) e todo mundo ficou com um gostinho de “quero mais” depois do ponto final. Curiosamente, essa última fase não foi assistida a nível nacional, já que na época de sua exibição, a Manchete já havia perdido várias de suas retransmissoras, e a exibição ficou restrita a poucos estados.

No Brasil
Em 1996, a Tikara Filmes anunciou a aquisição de Yu Yu Hakusho, para estréia na Manchete no ano seguinte, assim que a distribuidora (e o canal) terminassem de trabalhar com Shurato. Na verdade, ambas as séries eram pra ter estreado e trabalhadas juntas, mas a Manchete ficou receosa (pasmem!) com o nome do anime, e queria que a Tikara o rebatizasse com um nome menos estranho. Entre os cogitados estava (prepare-se!) “Cavaleiros do Além” (@[email protected]). Só que devido principalmente a relativa popularidade que os games da série já possuíam na época, o senhor Toshihiko Egashira (o homem que trouxe Jaspion e Changeman pro Brasil!) conseguiu convencer a Manchete a passar o anime com o nome esquisito mesmo. Mas até que tudo se resolvesse, foi decido que Shurato seria tabalhado em 96 e Yu Yu no ano seguinte.

Nessa época, a emissora estava doidinha atrás de um anime que continuasse o legado (comercial) de Os Cavaleiros do Zodíaco, para que desse uma turbinada em sua programação infantil que vinha decaindo pouco a pouco. Mesmo exibindo Samurai Warriors, Sailor Moon e Shurato (os 3 candidatos a sucessores dos Cavaleiros lançados em 96), apenas o último conseguiu segurar a peteca, manter a audiência e principalmente: gerar uma fila quilométrica de produtos licenciados (que conseqüentemente trouxe faturamento e anunciantes pra emissora). O problema é que Shurato era um anime muito curto e rapidamente foi esquecido pelo público. As apostas estavam todas em cima de Yu Yu Hakusho.

Só que a polêmica com Yu Yu começou beeem antes da estréia do mesmo. E não estamos falando do nome. Um grupo de pais e psicólogos (que já estavam de cabelo em pé com Os Cavaleiros do Zodiaco e a US Mangá =P) ameaçaram acionar o Ministério da Justiça para boicotar a estréia do anime, isso só porque haviam ouvido falar sobre o roteiro envolvendo porrada e demônios.

Apesar de todo o buxixo, em março de 1997, finalmente YYH estreou na Manchete. E a coisa foi tão amarrada pro anime ser o “sucessor de CDZ”, que até o mesmo esquema de exibição foi usado: duas vezes ao dia, de manhã e à tarde, visando atrair tanto a molecada quanto o público jovem. E a Tikara realmente fez um trabalho bonito. Da mesma forma que Shurato, Yu Yu ganhou uma dublagem primorosa e sua abertura e encerramentos foram ao ar totalmente em português – com arranjos produzidos por Hans Zeh e sua equipe no estúdio paulista Schema 336. Uma fato bem inexplicável até hoje são os cortes que a Manchete realizou em 4 dos 5 encerramentos da série. Os três primeiros foram ao ar com menos da metade das canções e créditos dos mesmos. Até a “cult” canção Quando o Sol Brilhar Novamente (aquela da carta :P) foi podadinha perto do final. Só que nós do Jbox em sua total divindade cósmica (Uahahaha :P) divulgamos as versões completas desses temas em vídeos do YouTube que você pode conferir ali ao lado, como uma justa homenagem aos 10 anos da série no Brasil, completados em 2007.

A ótima dublagem ficou a cargo da até então desconhecida Audio News, no Rio – antes tudo que era anime vinha com um “Versão Brasileira Gota Mágica – São Paulo”. O estúdio carioca fez um trabalho excepcional, desde a escolha das vozes (todas caíram como uma luva), até na adaptação: era possível ouvir personagens falando gírias bem brasileiras (bordões trash da época como “Ah! Eu tô maluco” e “Úúú terêrê” XD… Lembram dessas coisas bizarras?).

É claro que essa “abrasileirada” foi feita de modo a não prejudicar o andamento da história. O único pecadinho foi traduzirem youkais (ou demônios) como monstros, mas provavelmente optaram por isso pra não piorar a situação do anime ante os pais descabelados (e desocupados). Alguns nomes perderam a pronúncia ao serem passados para o português como Yussuke (pronuncia-se Yuski) e Kuwabara (que no japão é Kuwabára), mas isso só sendo muito fã babão pra reclamar, né? Outra coisa: quando estava em fase de escalação do elenco, a Audio News não percebeu que Kurama era um homem (Será? Será?), e o personagem quase acabou ganhando uma voz feminina. XD

Tudo eram flores, correto? Errado. Apesar de ser um sucesso de audiência (figurava entre os 5 programas mais assistidos da Manchete), o anime fracassou na área comercial. A Tikara ficou a ver navios por licenciar vários produtos, e ver tudo mofar nas prateleiras, e a Manchete, que na época já dava seus últimos suspiros, precisava de algo que atraisse anunciantes maciçamente, o que não aconteceu. Segundo o próprio Toshi (dono da Tikara), Yu Yu acabou só dando prejuízo, pois só atraia um público jovem que não é consumidor potencial e voraz como as crianças. A coisa foi tão feia que Manchete nem conseguiu pagar a última leva de episódios. O anime teve pouca repercussão comercial, a ponto de render apenas uma coleção de bonecos (cujo resultado final decepcionou até o Sr. Toshi), um game de tabuleiro (ambos pela Estrela) e uma coleção de artigos escolares (merenderiras e lancheiras). O esperado CD com a trilha sonora nunca foi lançado, embora todo um plano de marketing pro mesmo vender estivesse engatilhado. Sabiam até que gravaram uma versão completa da abertura?! ÉÉÉ… Dizem que o Toshi estava metendo a mão nos direitos do produto e isso afastou empresas interessadas. Será mesmo?!

Curiosamente, depois que o desenho saiu do ar, a Tec Toy lançou um game para o Mega Drive (que já estava praticamente aposentado), totalmente em português. O mais engraçado é que isso foi feito quando o anime já tinha praticamente caído no esquecimento. Ou seja: perderam uma ótima oportunidade de “maketing voluntário” pro joguinho (que era bem legal, diga-se de passagem, levando em conta ser um game dos jurássicos 16 bits). O ”fracasso” de Yu Yu Hakusho no Brasil marcou o fim a ”era Cavaleiros do Zodíaco”. A conjectura econômica do país na época fez com que investimentos em animes tivesse de ser muito bem bolados pra não amargar prejuízos do mesmo porte. A Manchete também caminhava rumo ao fundo do poço e não podia comprar mais nada. As distribuidoras esfriaram um pouco o corre-corre rumo à Terra do Sushi e só em 1999 um novo fôlego seria dado ao mercado graças a dois novos fenômenos comerciais: Pokémon e Dragon Balll Z.

Yu Yu ainda ficou no ar até meados de 1999, durante a transição da Manchete para Rede Tv! E aí rolou uma bela safadeza: os proprietários da Rede Tv! colocaram no ar Shurato, Yu Yu, Maskman e Jiraiya (esses dois últimos liberados pela Tikara pra Manchete no esquema “pague quando puder” e super desbotados diga-se de passagem) e não pagaram um centavo pelos diretos de exibição dos mesmos. Foi a gota d’água que fez com que o senhor Toshi desistisse da Tikara Films e abandonasse planos com Ranma ½ (que deveria ser o sucessor de Yu Yu em 1998!).

No final de tudo, o longa-metragem que havia sido adquirido para ser lançado nos cinemas acabou indo pro limbo. Na época, apostavam tanto no anime que um orçamento de dublagem do filme até chegou a ser feito, com uma possível escalação, inclusive com Marcio Seixas (a voz do Batman do desenho da Warner) como Yakumo, o vilão do longa.

O retorno
A turma de Yusuke ficou “esquecida” pelos canais de tv até 2004, quando, em uma negociação com a americana Cloverway (que vende animes pra tv paga no mercado latino americano), o Cartoon Network anunciou a volta do anime à sua grade, dentro do bloco Toonami. Os fãs ficaram doidinhos: por um lado, felizes, já que finalmente Yusuke e a capetada voltariam à tv (mesmo que para poucos privilegiados). Por outro lado, temiam que não mantivessem a dublagem original da Manchete/Tikara. E a coisa quase destrambelhou mesmo, pois o anime quase foi enviado para Álamo em São Paulo (enquanto a dublagem original foi feita no Rio), devido ao estúdio cobrar preço de banana pelos serviços executados.

Só que, o bom senso da Cloverway (e o xoramingo dos fãs), fez com que Yu Yu fosse enviado na última hora pra Audio News (êbaaa). O estúdio manteve os mesmos dubladores principais da versão original (exceto Nelly Amaral, a voz da Genkai, que faleceu vítima de câncer em 2002). Só que o estúdio anunciou que tal versão teria as aberturas e encerramentos no original japonês, o que fez os fãs cairem em cima, pedindo que as músicas originais em português (um dos charmes do anime) fossem mantidas. Houve interesse por parte da Áudio News em encontrar as gravações e atender aos fãs, mas no final de tudo faltou um pouco de interesse do próprio Cartoon – uma vez que as músicas em português chegaram a ser oferecidas para o canal na época, mas aparentemente ele não se importou com isso. Existem mais detalhes por trás desse assunto e brevemente você saberá disso em detalhes.

Mantendo a versão original em japonês (os fãs puristas adoraram…), o público brasileiro pôde ver pela primeira vez a segunda abertura (que tinha a mesma musica da primeira, mas com cenas animalescas), nunca mostrado pela Manchete, e os clips de encerramento por completo.

Nesse retorno, o Cartoon adquiriu a série junto com o filme, que foi dublado na mesma época da série nos estúdios da Áudio News. Depois de dois anos em seu poder, o Cartoon finalmente exibiu o longa– pra alegria de milhares de fãs- só que a qualidade de imagem da cópia era tão horrorosa que dava náuseas de se assistir. Isso sem contar que o canal meteu a mão na tesoura, e retirou do anime cenas que considerou “inapropriadas” e diversas cenas do filme. Até mesmo um episódio foi pulado durante a exibição!!!

Parou por aí?
A resposta é não. Empolgada com o sucesso de Cavaleiros do Zodíaco na Band, o canal adquiriu os direitos de Yu Yu Hakusho via distribuidora Swen, mas a colocou na geladeira devido a “paralisação temporária” dos investimentos em programação infanto-juvenil. E olha que eles até já haviam exibido chamadas da estréia do anime para janeiro de 2005. Só que o anime acabou estreando foi na Rede 21 em novembro do mesmo ano. E a tesoura rolou solta (mais ainda que no Cartoon!) devido ao Ministério da Justiça resolver por imposições para adequação de faixa etária, inexistentes na época em que o anime passou na Manchete (ô época boa, né?). E março de 2007 (10 anos depois da estréia na Manchete!) a Band finalmente estreou o anime numa manhã de domingo como tapa buraco de programação. Estranhamente, os cortes foram bem mais leves que os da Rede 21 (vai entender…) e refizeram a abertura usando o horroroso logo gringo do anime.

Como consolação, a Playarte começou a lançar os DVDs da série a partir de março de 2006 mas parou bruscamente os lançamentos após o final do Torneio das Trevas. Segundo a empresa, não há previsão de continuidade da série – grande respeito né?! Os DVDs lançados traziam episódios com pequenos cortes e uma produção visual bastante legais (chupinhados dos DVDs americanos, mas tudo bem…). Infelizmente, a Playarte não é uma empresa muito camarada quando o assunto é preço de Box de DVD, o que impede que muitos fãs adquiram a série de forma legal até hoje!

Finalizando…
Deveria ter dito isso no início da matéria, mas antes tarde do que nunca… O nome Yu Yu Hakusho tem uma tradução bem esquisita no português (daí a preocupação da Manchete, na época). Em meio a tantos significados, o mais aceito pelos fãs brasileiros é ‘As Aventuras do Fanstama Brincalhão’ (@[email protected]). Esse título cairia como uma luva para os primeiros capítulos do mangá, que centravam mais nos conflitos das pessoas envolvidas com situações de morte e Yussuke tentando de alguma forma, ajudá-las.

Outra coisa em relação ao título: muita gente diz que o “Yu Yu” não tem significado algum, sendo apenas uma brincadeira do autor com o nome do protagonista, Yusuke. Mas no final, isso pouco importa, já que Yu Yu Hakusho já está na lista dos animes mais importantes que já chegaram à tv brasileira, mesmo não tendo atingido as expectativas, tudo por causa de um planejamento visando um público “errado” num primeiro momento, e as pressões para adequações imbecis de uma velada censura que vem sendo imposta em prol da melhoria da qualidade de programação das emissoras de tevê – que não admite que desenho é tudo fantasia e que novelas como Malhação influenciam muito mais crianças a fazer merdas que um anime.

Mas Yu Yu marcou toda uma geração. Não de forma tão intensa como Os Cavaleiros do Zodíaco, mas ainda assim, Yusuke, Kuwabara, Hiei, Kurama, Mestra Genkai, Botan, Koenma, Keiko, Shizuka, Yukina e até o Geoge São Tomé (O diabo do Koenma!) conquistaram nossos corações e jamais sairão de nossas mentes. Pelo menos das nossas aqui do Jbox e dos quase 90.000 participantes da comunidade da série do Orkut eu acho que não. Em tempo: Não conheci o outro mundo por querer!! =P

Checklist Episódios
01. A morte!
02. No mundo espiritual: o teste da ressurreição
03. A promessa de um homem
04. O fogo ardente
05. A ressurreição
06. Os misteriosos ladrões: Riei, Kurama e Goki
07. O segredo de Kurama
08. O rapto de Keiko
09. O sucessor
10. A batalha na escuridão
11. A dura batalha
12. A derrota de Kuwabara
13. yussuke X Landou
14. Desafio ao mundo do além
15. A dança da rosa
16. A luta do machão Kuwabara
17. Byakko no Inferno
18. A fúria de Riei
19. O último monstro: Suzako
20. O incrível Suzako
21. A dura batalha
22. Yukina, a triste garota
23. Os mensageiro das trevas
24. Três monstros – terríveis inimigos
25. Kuwabara erde por amor
26. Convite ao torneio dos monstros
27. Partida para a Ilha das Trevas
28. O pequeno e terrível inimigo Linku
29. Kurama e o seu Golpe de Flor
30. A Chamas Mortais
31. Os golpes do Bêbado Tiyu
32. A luta decisiva
33. Colisão! Os 8 melhores times
34. A complicada guerra
35. A bela Guerreira Mascarada
36. A purificação
37. Os Ninjas das Trevas
38. A persistência de Kurama
39. A explosão de Yussuke
40. Jin, o homem-vento
41. A derrota inesperada
42. A determinação de Kuwabara
43. A fisionomia severa da Mascarada
44. A suprema doutrina
45. Riei e o seu Golpe Dragão Negro
46. A tansformação de Kuromomotaru
47. O ladrão lendário: Kurama Youko
48. A manta da morte
49. As últimas forças de Genkai
50. O desafio de Suzuki
51. A ombra de Toguro
52. A partida de Genkai
53. Tempestade vem. supere a tristeza!
54. Início da tumultuada batalha
55. A ressurreição de Youko Kurama
56. A última cartada de Kurama
57. A ameaça de Bui
58. Golpe mortal: As Chamas Negras
59. A estranha sombra de Toguro
60. O ódio explode! O ataque de Kuwabara
61. O confronto de dois grandes lutadores
62. O poder total de Toguro
63. yussuke e a doutrina Suprema
64. A última batalha
65. A explosão do estádio
66.A recompensa de Toguro
67. Um novo prólogo
68. A armadilha na mansão Yogigem
69. A inteligência de Kurama
70. Um novo enigma
71. O terrível portão das trevas
72. Os sete inimigos
73. Doutor, o misterioso inimigo
74. Tem alguma solução para isso, Yussuke?
75. Shiman e sua armadilha
76. A ressurreição de Kuwabara!A volta do poder
77. O Passado negro do Detetive Sobrenatural
78. O ataque de Dark Angel
79. A perseguição de Yussuke
80. Hagui e o alvo da morte
81. Guerra na caverna
82. A ameaça de Game Master
83. A decisão firme de Kurama
84. O Ódio de Kurama
85. O combate do Detetive Sobrenatural
86. A dura batalha de Yussuke
87. Koenma e o Golpe Secreto Mafuukan
88. Sensui e o Golpe Seikooki
89. A premunição da morte
90. A vontade do amigo continua
91. O patrulhamento
92. A luta extrema
93. A batalha violenta
94. Epílogo: O amanhã
95. O destino de Yussuke
96. Os visitantes das trevas
97. A despedida
98. O confronto com o Pai
99. Lembrança inesquecível
100. O segredo do Olho Diabólico
101. O ladrão das trevas
102. A mudança de Kurama Youko
103. As últimas palavras de Raizen
104. A estranha proposta
105. O início do novo torneio
106. A luta entre Pai e Filho
107. A luta violenta
108. Kurama e o desligamento com o passado
109. A luta entre Riei e Mukuro
110. A força total
111. A decisão final
112. Eternamente: Yu Yu Hakusho

[/div][div coluna2]

[youtube:http://www.youtube.com/watch?v=2WDRhlkE2UQ 255 214]

[youtube:http://www.youtube.com/watch?v=pQn6awR3iEY 255 214]

[youtube:http://www.youtube.com/watch?v=HM05EHEsi2g 255 214]

[youtube:http://www.youtube.com/watch?v=h0RZsFSZy_I 255 214]

[youtube:http://www.youtube.com/watch?v=OU3BUjAzwmY 255 214]

[youtube:http://www.youtube.com/watch?v=4krdU-hJz7Y 255 214]

[youtube:http://www.youtube.com/watch?v=0wJWDIIluT8 255 214]

[image]

[image]

[image]

[image]

[image]

[image]

[image]

[image]

[image]

[image]

[image]

[image]

[image]

[image]

[image]

[image]

[image]

[image]

[image]

[image]

[image]

[image]

[image]

[image]

[image]

[/div]

Publicidade
close