Detonator Orgun

imagem: ilustração de Detonator Orgun

Texto: Leandrogon (Larc) e Rafael Jiback
Revisão: Le Rolim
Última atualização em 7 de abril de 2022.


imagem com os 3 robôs citados
Do topo para baixo: O Homem de Aço, Mazinger Z e Mobile Suit Gundam | Reprodução/Eiken Co./Toei Animation/Sunrise

O fascínio dos japoneses por robôs remonta de muitos anos antes do século XX. Das pequenas marionetes mecânicas chamadas de Karakuri em idos do século XVII, até os robôs de aspecto mais “humanoide” — inspirados em parte pelo sucesso do filme Metropolis (do diretor alemão Fritz Lang, que data de 1927), o conceito de mecha (derivado da palavra em inglês mechanical) surgiu apenas em 1956 nas páginas da revista Shonen, da editora Kobunsha. Os japoneses conheceram ali o Tetsujin 28-go, de autoria de Mitsuteru Yokoyama.

Em 1963, a então iniciante indústria da animação japonesa televisiva levou ao ar a versão animada desse primeiro robô gigante com seu “formato de barril” — que em seguida chegou aos EUA com o charmoso nome de Gigantor e ao Brasil com o pouco inspirado “O Homem de Aço”. Quase uma década depois, em 1972, o lendário Go Nagai daria um passo além que redefiniria o conceito de mecha com o lançamento de Mazinger Z. O personagem-título chamava atenção não só por seu visual mais “agressivo”, mas por deixar de lado o padrão do comando por um controle remoto, trazendo um jovem dentro do mecha para pilotá-lo.

A década de 1970 seguiu com uma enxurrada de “clones” de Mazinger, no estilo que ficou conhecido como Super Robot. Mesmo em meio à crise econômica daquele período, a indústria de fabricantes de brinquedos fazia uma grande festa com as possibilidades de variações. Um outro ponto “evolutivo” para o gênero viria no fim da década pelas mãos de Yoshiyuki Tomino. Em 1979 surgiu Mobile Suit Gundam, investindo em visuais mais “realistas” e mecânicos do que os fantasiosos e coloridos “primos” do Mazinger. Abraçando de vez a ficção científica, e usando robôs como ferramentas de guerra, tinha início ali outra vertente dos mecha, com os chamados Real Robot.

A popularização do formato de home-video nos anos 1980 permitiu um mergulho na experimentação de entusiastas de diversos gêneros da indústria. A partir da segunda metade daquela década, e até o começo dos anos 1990, muitas produções fizeram com que os mecha nadassem de braçada no campo da ficção científica, representando o que se imaginava do próximo milênio (este em que estamos agora) — principalmente com a colonização espacial sendo uma possível realidade. É nesse cenário carregado de influências visuais sobre um possível futuro que nasceu Detonator Orgun.

 

Original ou apenas mais uma variante?

ilustração de detonator orgun
Imagem: Reprodução/AIC/Artmic/darts

Em 1991, Hideki Kakinuma já era um escritor com uma estrada considerável nos animês de ficção científica. Junto ao estúdio Artmic, do qual foi um dos membros originais, trabalhou em 1983 no design mecânico da série Mospeada (que seria trucidada mais tarde como uma das temporadas de Robotech). Depois, a partir de 1987, assumiu os roteiros das sequências de Gall Force, incluindo aquelas que passaram por aqui na U.S. Mangá (Earth Chapter e New Era) — relaxa que vamos falar disso mais adiante. Também em 1987 veio um dos pontos mais marcantes de sua carreira com Bubblegum Crisis, uma série OVA de bastante sucesso onde ele roteirizou o primeiro episódio e ainda foi novamente responsável pelo visual tecnológico.

Especialmente os conceitos de Mospeada e Bubblegum Crisis podem ter colaborado para a nova história que o moço escreveria. No primeiro, víamos humanos que se vestiam de partes mecânicas e se juntavam à uma moto (!) para se tornar um robô, quase como uma armadura de batalha. Bubblegum seguia uma linha parecida, com moças que usavam roupas de batalha hi-tech, mas que não chegam a ser um mecha propriamente dito. Eis que uma inventiva ideia acabou sendo explorada na história de Orgun: e se humano e robô se tornassem um só?

imagens de Mospeada, Bubblegum Crisis e Space Runway Ideon
Da esq. p/ dir.: Mospeada, Bubblegum Crisis e Space Runaway Ideon | Imagem: Reprodução

Alguns anos antes de Evangelion se mostrar ao mundo, Detonator Orgun explorou o conceito ainda não muito comum da simbiose entre piloto e mecha. Basicamente, dois seres interagindo suas funções vitais e orgânicas simultaneamente. Já a ideia de que o robô pilotado também tivesse uma consciência própria já havia sido apresentada em 1980 pelo animê Space Runaway Ideon, título do mesmo criador de Gundam e que é meio obscuro fora do Japão — embora seja considerado uma das maiores influências para Evangelion.

A grande mistura de influências (ou pilha de clichês, como queira chamar) da trama de Kakinuma ganhou vida com a direção de Masami Obari, outro nome vindo de Bubblegum Crisis (e que depois também trabalhou nos filmes de Fatal Fury, lançados no Brasil em VHS), empregando seu estilo nas cenas de ação que possuem tomadas de tirar o fôlego (ao menos tiravam nos anos 1990, né?). Em 2011, ele revelou o que teria sido o maior pilar para o desenvolvimento de Detonator Orgun: um clássico do estúdio Tatsunoko chamado Tekkaman. No animê original de 1975 (inédito por aqui), vemos um guerreiro de armadura tecnológica que luta ao lado de um robô contra alienígenas, que por sua vez tentam impedir os humanos de buscar um refúgio no espaço. Para Obari, Orgun seria concebido como homenagem a esta série (que ironicamente ganharia uma reinterpretação em 1992, na cola do desempenho do OVA de Orgun).

Já o bonito design de personagens da minissérie foi cortesia de Kia Asamiya, o mesmo de Silent Möbius e Nadesico, e fã declarado de Star Wars (é dele o mangá que saiu aqui no Brasil pela JBC e Abril!), na época assinando como Michitaka Kikuchi. Por fim, os mecha ficaram sob as mãos de Takehiko Itou (assinando como Hiroyuki Hataike), membro da equipe que comandou anos depois a criação de Outlaw Star (que nunca veio oficialmente pra cá, mas era badalado pela crítica na virada dos anos 90 para os 2000).

imagem: desenho conceitual de Detonator Orgun
Imagem conceitual de Detonator Orgun. | Imagem: Reprodução/AIC/Artmic/darts

Com esse time, o Artmic se junta mais uma vez ao estúdio AIC (as empresas estiveram juntas também em Bubblegum Crisis), lançando o primeiro volume de Detonator Orgun no mercado japonês em 25 de agosto de 1991, em vídeo e LaserDisc, via Polydor.

 

Pouca história e pancadaria cósmica

ilustração de detonator orgun
Orgun, Kanzaki e Tomoru em imagem promocional. | Imagem: Divulgação/AIC/Artmic/darts

Em um cenário dezenas de anos no futuro, Detonator Orgun já começa de forma explosiva. No espaço, uma nave testemunha a luta de dois mecha que espalham destruição ao seu redor. Enquanto isso, na Terra, o jovem Tomoru Shindo começa a ter estranhos sonhos onde uma voz desconhecida o chama enquanto usa um tipo de videogame de última geração chamado PASFU. Durante uma de suas imersões, o mecha branco que duelou na abertura do capítulo surge e salva Tomoru. Pra deixar tudo ainda mais intrigante, o rapaz enxerga na superfície da Lua uma batalha que termina com uma espécie de autodestruição do robô. Sua carcaça cai chamando por ele no exato momento em que Tomoru acorda sem entender muito bem o que se acabou de ocorrer.

Shindo é um rapaz meio deslocado do seu tempo, desinteressado com a vida e com certo fascínio pela história antiga. Prestes a se formar, ele prefere cabular aula e passa horas no museu. Sempre com sua jaquetinha vintage, o rapaz é o ponto central da trama já que ele e o mecha misterioso possuem um tipo de conexão mental.

Descobrimos que aquele robô que caiu se chama Orgun e que ele foi capturado por militares terrestres da E.D.F. (sigla de Earth Defense Force, Força de Segurança da Terra em português) para estudos liderados pela doutora Kanzaki. Com a ajuda de uma inteligência artificial chamada I-Zack, a jovem descobre sinais de uma gigantesca “Estrela da Morte”, que é nada menos que o quartel general de uma raça de seres que se autodenominam Os Evoluídos. Atrás de Orgun, que é um suposto traidor, um desses Evoluídos é enviado para a Terra e nem os melhores homens da E.D.F são capazes de fazer frente a seu poder. Enquanto o povo todo corre desesperado, Tomoru vai em direção contrária, rumo ao caos, sendo guiado pela voz misteriosa dos seus sonhos. Depois de atropelado e de ver seu “sonho” se tornar realidade (estranhamente ele já sonhava com a doutora Kanzaki), Tomoru é “incorporado” por Orgun e o pau come solto. Ao final do primeiro episódio, algumas respostas são dadas aos personagens (e ao espectador) ao mesmo tempo que uma misteriosa vidente profetiza uma nova batalha.

ilustração de detonator orgun
Yoko Mitsurugi, a auxiliar da porrada. | Imagem: Reprodução/AIC/Artmic/darts

Os Evoluídos querem liquidar com o traidor Orgun, que acaba, através de Tomoru, contando os planos inimigos para a E.D.F. Na segunda fita ficamos sabendo (de forma um tanto arrastada) a origem sinistra da raça invasora: outrora humanos, os Evoluídos acabaram tendo que viver dentro de trajes espaciais, para conseguirem sobreviver em condições inóspitas do espaço. Seus corpos se degeneraram, mas acabaram tendo seus espíritos fundidos às armaduras. Pra complicar mais um pouco, eles vieram de um futuro ainda mais distante! Não pensem que contamos o segredo da série… Ele nem existe! Em dado momento a doutora também passa a ter sonhos misteriosos como Tomoru e entra em cena uma mecha fêmea, que colabora para adicionar mais explicações sobre o enredo para o espectador.

cena de detonator orgun
Papinho pelado no céu. | Imagem: Reprodução/AIC/Artmic/darts

A pancadaria cibernética espacial entre Orgun e seus ex-amigos é costurada com diálogos um tanto entediantes. Refletindo uma época onde era mais fácil nos impressionarmos com pouco, jogam até uma militar ruiva gostosona cuja existência é só pra espancar os inimigos ao lado do herói. Há uma considerável dose de fan service (praticamente todas as meninas do animê aparecem peladas em algum momento) e o romance pouco inspirado entre Kanzaki e Tomoru serve mais para termos uma cena pseudo-reflexiva dos dois peladinhos no céu.

O vilão Zoa. | Imagem: Reprodução/AIC/Artmic/darts

No desenrolar da trama, a líder meio que espiritual dos Evoluídos (que atende pela alcunha de Lady Mihiko) até tenta impedir que a invasão continue, mas um revoltado chamado Zoa incita seus companheiros para a guerra (ou guerrrrra, como diria o inconfundível Gilberto Baroli, voz do personagem por aqui). Adivinha com quem Orgun tem o “pega-pra-capar” final?

Com cenários interessantes, ainda que a animação sofra de certa inconsistência, e uma música futurista que parece tema de videogame (composta por Susumu Hirasawa, o mesmo que fez a trilha da primeira versão animada de Berserk), Detonator Orgun poderia ter uma montagem mais interessante sob formato de longa-metragem. Existe um bom material, com mistérios interessantes, mas tal como uma gelatina que não atingiu o ponto certo. Ao final, nos resta o flerte com a reflexão trazida sobre a importância de se preservar as memórias do passado para evitar os erros no futuro.

 

Orgun e a U.S. Mangá Corps do Brasil

imagem: logo da U.S. Mangá Corps do Brasil
Logo da U.S. Mangá Corps do Brasil | Imagem: Reprodução/TV Manchete

Marcando uma nova era para os animês na tevê brasileira, Detonator Orgun estreou no dia 8 de novembro de 1996, juntamente com a estreia da sessão U.S. Mangá Corps do Brasil, transmitida pela extinta Rede Manchete. Muitas pessoas não compreendem até hoje o que foi a U.S. Mangá e pensam que se tratou de uma série — se você está nesse time, atente-se à explicação.

Muito mais que vender toneladas de quinquilharias e abrir as portas da tevê brasileira para a animação japonesa, Os Cavaleiros do Zodíaco ensinaram uma coisa muito importante aos programadores das emissoras de televisão na época: que jovens e adultos também veem desenho animado. No auge do sucesso de Seiya e cia enlatada, era possível observar que os marmanjos também paravam na frente da telinha para acompanhar as aventuras dos heróis, tanto quanto a garotada que comprava os bonequinhos e as balas Zung.

Interessado nesse novo filão, o diretor do Departamento Comercial da Manchete, Osmar Gonçalves, fechou um contrato com a finada distribuidora Premiere Filmes (que lançou os filmes dos Cavaleiros em VHS junto com a Flashstar nos anos 1990), de modo a destinar uma faixa da programação da emissora para a exibição de animações voltadas para um público mais maduro. Com isso, Marcelo Bitelli, então dono da Premiere, comprou um pacote de animês de um selo americano chamado… U.S. Manga Corps (“US” vem de United States, caso você ainda esteja boiando).

imagem: anuncio americano do lançamento de Detonator Orgun
Anúncio das fitas de Detonator Orgun pela U.S.Manga “original”. | Imagem: Reprodução/Brian Camp’s Film and Anime Blog

Nos Estados Unidos, a U.S. Manga Corps era a principal divisão da já extinta distribuidora Central Park Media, com foco em trazer materiais japoneses “alternativos” no efervescente mercado de home-video da época. Ao recondicionar os títulos para o nosso país, a Premiere reproduziu a marca e adicionou o “do Brasil” pra deixar ainda mais bizarro. É só pensar na tradução disso: Corpo de Mangá dos Estados Unidos… do Brasil? Detalhe: Mangá é quadrinho impresso!

Nem precisa dizer que os executivos da Premiere não entendiam patavinas do que era animê. Como dá pra perceber isso? Ao invés de trazerem os “top” da U.S. Manga, como Record of Loddoss War (que por sinal foi lançado em DVD no Brasil anos mais tarde), optou-se por comprar o que era mais barato pra poderem adquirir uma quantidade a mais de títulos. Se não bastasse isso, várias séries vieram incompletas, como Gall Force (que além das duas séries exibidas pela Manchete ainda tinha uma anterior que não veio no pacote) e Iczer.

A ideia inicial era exibir esses títulos na televisão e posteriormente lançá-los em vídeo para venda direta ao consumidor (parece que eles estavam começando a aprender como se ganha dinheiro com animê, né?). E assim nasceu o U.S. Mangá Corps do Brasil. Exibido inicialmente sempre às sextas-feiras, o programa foi cancelado prematuramente no ano seguinte, com animês inéditos por exibir (como 3×3 Eyes, Gunsmith Cats e o restante de Battle Skipper). A feliz e ousada iniciativa de exibir animês de ficção científica apenas confirmou uma máxima: quantidade não significa qualidade (nem retorno proporcional garantido).

 

Detonando no Brasil

IMAGEM: Ilustração de detonator orgun
Imagem: Divulgação/AIC/Artmic/darts

A estreia de Detonator Orgun na Manchete repetiu os números de outros animês da época, com média de 2 pontos no Ibope da Grande São Paulo, caindo para 1 ponto nas semanas seguintes. A escolha de começar por ele até pode ser associada a uma forçada semelhança com os Cavaleiros (de certa forma, é um rapaz vestindo uma armadura né?), mas em termos de violência gráfica certamente ele era o mais tranquilo do pacote para a Divisão de Cinema da emissora trabalhar (se você viu Genocyber, sabe do que estamos falando).

Segundo Eduardo Miranda, chefe da equipe que precisava editar aqueles animês malucos, Orgun deu mais trabalho só por conta de suas cenas de nudez. Vamos lembrar que, embora a Manchete exibisse peitos em novelas, por exemplo, desenho animado num geral ainda era algo visto como produto pra criança no inconsciente coletivo. Com isso, o jeito foi dar zooms ou inserir outras cenas para não perder diálogos (como o já citado do casal pelado voador).

imagem: página da revista herói com anúncio do VHS
Reportagem anunciando o lançamento de Detonator Orgun em VHS. | Imagem: Revista Herói nº 114/Reprodução

Os episódios chegaram a ter reprises no ano seguinte, antes de irem pro limbo. Ou melhor: pra prateleira de algumas locadoras. A América Vídeo (do Grupo Paris Filmes) foi quem assinou um contrato pra lançar os animês da U.S. Mangá em VHS sem os cortes que eram necessários para que eles fossem exibidos na tevê. Orgun saiu em três fitinhas com capas até que bacanas pra época e trazendo uns “alertas” pro conteúdo violento da fita. Ou seja: papai e mamãe que deixavam o filhote alugar não podiam reclamar depois!

Só que a estratégia não deu certo e não houve o retorno esperado com a venda das fitinhas. A razão? Simples: as fitas não eram para venda direta para o consumidor e só donos de locadora podiam comprar! Em resumo: uma ótima ideia (passar mutilado na tevê, depois lançar o mesmo sem cortes em vídeo) que foi mal executada.

Sobre a versão brasileira, mais uma vez era escolhido o estúdio Gota Mágica, que já começava a irritar um pouco com a escalação de seu pequeno time de dubladores de sempre. Tomoru foi dublado pelo talentoso Marcelo Campos (que fez TUDO quanto é animê na época) e a Dra. Kanzaki foi feita pela Raquel Marinho (a Lady Kayra dos Samurai Warriors e a Chichi em Dragon Ball Z). Como já falamos, Gilberto Baroli (Saga de Gêmeos em Cavaleiros) ficou com o revoltado Zoa, ganhando mais um vilão principal pra chamar de seu. O grande vacilo do estúdio foi escalar outra voz para o Orgun (a de Márcio Araújo), sendo que ele e Tomoru são essencialmente o mesmo personagem (no Japão, ambos possuem a voz de Koichi Yamadera — o Spike de Cowboy Bebop)

imagem: ilustração de Tomoru Shindo junto a Orgun
Imagem: Reprodução/AIC/Artmic/darts

Mas se tem uma coisa que detonou com Orgun (perdoai o trocadilho ruim) foi a edição de som do começo dos episódios. Acontece que a trilha da U.S. Mangá, que não pertence à série, foi enfiada nas aberturas dos episódios, substituindo a trilha original durante alguns minutos. A “sorte” foi a de que pelo menos não usaram as outras músicas feitas pro CDzinho (sim, teve CD!). Se vocês ouvirem o tema que fizeram pro Zeorymer em cima de uma BGM do Genocyber

Detonator Orgun pode não ter sido um do melhores animês que já foram exibidos na tevê brasileira, mas conseguiu marcar por aqui e até de certa forma no Japão inovando conceitos. Depois dele, e principalmente de Evangelion, claro, “robôs orgânicos” viraram clichês, enquanto o público brasileiro descobriu que existia muito mais variedade no vasto mundo dos desenhos japoneses.


Outras curiosidades

  • Em 1992, Detonator Orgun ganhou um jogo para o Mega Drive, rodado a partir do acessório Mega CD (ou Sega CD).
  • O robô principal foi lembrado nos games mais duas vezes. Ele aparece em Super Robot Wars W, lançado para o Nintendo DS em 2007, e em Super Robo Gakuen, também para o Nintendo DS em 2009.
  • Segundo o diretor Masami Obari, em publicação em seu Twitter pessoal em 2011, o nome original do animê seria Ginsou Senshi Org (algo como “Guerreiro Prateado Org”). Além de “Org”, outro nome pensado foi “Orgul”.
  • O nome definitivo de “Orgun” teriam vindo em homenagem ao atleta de luta livre Hulk Hogan. Masami Obari é um fã do wrestling.
  • Tekkaman Blade, o “reboot” de Tekkaman feito em 1992 teria sofrido influência do bom desempenho de Detonator Orgun. Masami Obari acabou sendo escalado para dirigir as aberturas desse animê.
  • Dos títulos trazidos como séries para o Brasil pelo selo U.S.Mangá, Detonator Orgun foi o primeiro lançado por completo em VHS. O segundo, e último, foi Zeorymer.
  • A trilha sonora de Susumu Hirasawa está disponível no Spotify. Basta procurar pelo álbum Symphonic Code | Susumu Hirasawa Instrumental Music: The Polydor years.
  • O tema de abertura da U.S. Mangá Corps do Brasil tinha letra e melodia originais, porém criadas em cima de uma trilha de outro animê, o Project A-Ko (lançado por aqui pela Everest Vídeo como Supernova). Porém, é possível deduzir que houve certa inspiração no enredo de Detonator Orgun para produzir a letra, como mostram os versos “É uma entidade do além que quer robotizar/E só a força da ciência pode salvar”.

Ficha técnica

  • JAPÃO
    Título: DETONATOR Orgun (DETONATORオーガン)
    Lançamento original: 25 de agosto de 1991 (1º episódio), 1º de dezembro de 1991 (2º episódio) e 25 de abril de 1992 (3º episódio), em VHS e LaserDisc
    Estúdio: AIC, Artmic, darts
    Criação: Hideki Kakinuma
    Roteiro: Hideki Kakinuma
    Direção geral: Masami Obari
    Designer de personagens: Michitaka Kikuchi (também conhecido por Kia Asamiya)
    Designer de mecha: Hiroyuki Hataike (também conhecido como Takehiko Itou)
    Trilha sonora: Susumu Hirasawa
    Elenco de vozes: Koichi Yamadera (Tomoru Shindo e Orgun), Yumi Touma (Michi Kanzaki), Nobuo Tanaka (I-Zack), Kenji Utsumi (Zoa), Hiroko Kasahara (Kumi Jefferson e Lady Mihiku), Emi Shinohara (Yoko Mitsurugi), Kiyoyuki Yanada (Wedge), Masashi Ebara (Virgil), Norio Wakamoto (Lang), Takkou Ishimori (Foreston), Toshihiko Seki (Nokku), Toshiya Ueda (Bannings)
  • BRASIL
    Título no Brasil: Detonator Orgun
    Distribuição: Premiere Filmes
    Emissora no Brasil: Rede Manchete
    Elenco de dublagem: Marcelo Campos (Tomoru Shindo), Márcio Araújo (Orgun), Raquel Marinho (Michi Kanzaki), Gileno Santoro (I-Zack), Gilberto Baroli (Zoa), Patrícia Scalvi (Kumi Jefferson e Lady Mihiku), Fátima Noya (Yoko Mitsurugi), Carlos Campanile (Lang), José Soares (Foreston), César Leitão (Bannings), Jonas Mello (locução)
    Versão brasileira: Gota Mágica – São Paulo

Fontes consultadas: Anime News Network, Fanboy.com, The Artifice, Cinevisão, Vanishing Trooper, revista Animax nº10, revista Herói nº114 e acervo do site JBox

Publicidade
close