Resenha: The Gentlemen’s Alliance † Vol. 1 a 4 – Panini

Mais Arina Tanemura nas bancas.

The Gentlemen’s Alliance † (se fala cross) é uma série shoujo de autoria de Arina Tanemura, publicado na antologia mensal Ribon da Shueisha entre setembro de 2004 e junho de 2008, acumulando no total 47 capítulos e 11 volumes encadernados (tankoubons). É a primeira série sem elementos de fantasia de Tanemura e apesar de ser uma das suas obras mais conhecidas e amadas pelos seus fãs não ganhou uma adaptação em animê.

Haine é uma garota de 15 anos que tem um passado muito triste: seu pai biológico, decepcionado por ter tido uma filha ao invés do sonhado filho, a vendeu para a família Otomiya em troca de um empréstimo de cinquenta milhões de ienes (cerca de 1 milhão de reais). Uma das poucas coisas que a fizeram superar esse fato é um livro, o único presente que ela ganhou de seu pai biológico. Esse livro foi escrito pelo menino-prodígio Shizumasa Touguu.

O livro e um encontro durante sua adolescência conturbada (ela era uma delinquente) foram o fator decisivo para Haine se apaixonar pelo Shizumasa. A família adotiva de Haine é muito boa com ela, nunca a tratou de forma diferente do seu irmão caçula, mas mesmo assim ela insiste em trabalhar para ajudar nas despesas domésticas, já que quando foi adotada sua família biológica recuperou sua fortuna e a  adotiva começou a ter dificuldades financeiras.

Haine estuda e trabalha na limpeza (tudo para colocar um uniforme de Maid…) da Academia Imperial, um colégio elitista em que os alunos são divididos em dois grupos: os Bronzes, os “apenas ricos”, e os Pratas que são a nobreza da escola. Para se tornar prata um aluno tem que acumular pontos ou fazer uma doação generosa à escola. Os alunos pratas têm um uniforme diferente e frequentam aulas separadas dos bronzes, dos quais também é vetado o acesso a determinadas áreas da escola, como os jardins suspensos e a cafeteria e a alguns eventos mais importantes.

Há também um único aluno Ouro, o presidente do Conselho Estudantil (Shizumasa) e nenhum aluno bronze pode olhar diretamente para ele, por isso o sonho de Haine é acumular pontos para se tornar uma prata e poder estudar na mesma classe que o Shizumasa.

Durante o primeiro capítulo Haine salva Shizumasa e com isso consegue se tornar membro do Conselho Estudantil com a função de guarda-costas do Presidente. Os membros de tal Conselho são: Maora-chan que é responsável pelo planejamento e a contabilidade, sendo a pessoa mais excêntrica da série; Maguri Tsujimiya, o vice-presidente e Ushio Amamiya, a secretária do conselho.

De um modo geral posso dizer que é um mangá divertido, só não gostei muito do primeiro volume, achei mediano, mas o desenvolvimento da história é muito bom, a protagonista é a heroína tolinha de sentimentos puros chatinha de sempre (bem clichê), mas os coadjuvantes são muito bacanas e eles acabam ganhando muito espaço também.

Não dá pra destacar um personagem em especial, mas todos no Conselho Estudantil são muito excêntricos e legais. A arte é muito linda, os personagens são bonitos, há retículas em excesso e se fosse pra criticar qualquer coisa seria o fato dos personagens serem parecidos demais, só dá pra diferenciar o carteiro e o guarda pelo corte de cabelo que é levemente diferente.

A edição está bonita, não consegui ver nenhum erro gritante, tem umas reconstruções muito trabalhosas, dá pra entender o motivo do mangás ser bimestral mesmo estando concluído desde 2008. A adaptação ficou bem legal, não deu pra aproveitar muitas das piadinhas originais, mas pelo menos colocaram notas explicativas (melhor que colocar referências a Cavaleiros do Zodíaco, né?).

O mangá está com todos os honoríficos e tem um glossário explicativo no final. O glossário é bacana, mas tem coisas desnecessárias ali, não é preciso explicar quem é Cinderela, o que é Karaokê ou Monte Fuji, isso aí é cultura geral.

Outra coisa bacana é que no verso das capas há as ilustrações coloridas e o comentário que ficariam na orelha do volume original japonês e foram reutilizados. Uma coisa que eu devo explicar aqui é que tem muita gente reclamando de terem escrito “The Gentlemen’s Alliance †” como título e terem colocado a cruz ao invés de escrever Cross, mas se vocês pegarem a capa original japonesa, a alemã ou a chinesa vai ver que foi assim que elas foram publicadas, não há erro nenhum aí. Também não há erro em escrever “A Aliança de Cavalheiros” como subtítulo, já que no original o subtítulo era “The Gentlemen’s Alliance” (basta compararem as capas), tudo que a Panini fez foi optar por traduzir o subtítulo para tornar mais acessível e não soar repetitivo.

 

Título: 紳士同盟 † (Shinshi Doumei †), The Gentlemen’s Alliance † († se lê sempre cross)
Autora: Arina Tanemura
Formato: 13,7 x 20, 180 páginas em média
Duração: 11 volumes
Preço: R$9,90
Demográfico: Shoujo
Gênero: Romance Escolar, Drama

Update: A Allena-sama puxou a minha orelha por não ter reparado, mas a Panini cometeu uns errinhos bobos nas notas. Nelas colocaram as referências das páginas erradas, onde era nota referente à página 15 no glossário na verdade era referente à página 17 e daí por diante.

P.S. da Allena: A Allena acha que o sub-título tá errado e deveria ser “A Aliança Cross de Cavalheiros”. /modo penetra.

Publicidade
close