Imagem: As 4 garotas heroínas de 'Tropical-Rouge! Precure'.

Resenha | Tropical-Rouge! Precure: A equipe se completa I Episódios 4 e 5

Introduzindo as Cure Papaya e Flaming, o time de heroínas da temporada fica completo e agora o animê deve começar a dar mais espaço aos vilões.

Finalmente a equipe de heroínas de Tropical-Rouge! Precure está completa. Os dois episódios recentes da série tiveram como foco a apresentação de Cure Papaya e Cure Flamingo, respectivamente a terceira e quarta integrantes do grupo, bem como o desenvolvimento inicial de suas histórias pessoais.

Uma escritora apaixonada

Imagem: Minori Ichinose, a Cure Papaya, em sua versão normal.
Reprodução: Crunchyroll/Toei.

Minori Ichinose, a Cure Papaya, é apaixonada por livros e foi apresentada com uma trama de crescimento muito parecida com a de Sango. Assim como nossa Cure Coral, ela também tem pouca autoconfiança, fazendo com que Laura iniciamente a veja com desdém. Isso, porém, não é um problema para Manatsu, que ao descobrir que Minori também adora sereias e escreveu uma história sobre uma no passado, tenta fazer dela a nova Precure do time. Novamente, tal como Sango, a garota só vai se tornar uma heroína quando começa acredita em si própria ao final do quarto episódio.

Entretanto, as semelhanças entre Minori e Sango param por aí, uma vez que a história da primeira é relativamente mais “trágica” (no nível de pequenas tragédias cotidianas que abalam nossa vida interpessoal). Minori é uma escritora frustrada e parece sofrer daquilo chamado de “síndrome de impostor”. No passado, ela fez parte do clube de literatura, mas após ter sua história sobre sereias criticada por uma das integrantes de seu clube, ela perdeu a confiança em si própria e em sua escrita.

Imagem: A Cure Papaya, junto com as Cure Summer e Coral.
Reprodução: Crunchyroll/Toei.

Aqui temos um dos elementos mais empolgantes em torno de Minori: sua antiga ligação com o clube de literatura. Aparentemente, há uma integrante específica do clube que não gostou da história da nova precure e faz todo sentido esperar que a relação de Minori com essa integrante seja apresentada nos próximos episódios – junto do seu crescimento como escritora, algo que deve acontecer de modo similar aos arcos de Komachi (Yes! Pretty Cure 5) e Yayoi (Smile! Precure).

Interessante notar que, apesar da história pessoal de Minori ser séria, o episódio conseguiu equilibrar bem os pontos dramáticos com as sequências de comédia (estreladas por Manatsu e Laura, é claro). Tudo isso desenvolvendo muito bem o perfil da Cure Papaya – e eu gosto especialmente de notar como o quarto dela é mais introespectivo e possui um pequeno quadro de sereia de enfeite. Só foi estranho ela não ter ouvido falar de uma sereia real na escola (afinal, esse foi um boato que chegou a ser citado pelas amigas de Sango no episódio anterior).

Foi também nesse quarto episódio que tivémos a citação de algo que deverá ser de extrema importância para a narrativa do time precure daqui para frente: a história da Precure Lendária. Aparentemente, o reino do Gran Ocean foi salvo no passado por essa poderosa precure e, considerando a história da franquia, é muito provável que venhamos conhecer essa personagem na segunda metade dessa temporada. Sim, ainda vai demorar para tudo se desenrolar e temos tempo para falar disso, então por enquanto vamos seguir para as considerações do quinto episódio.

O voo da Cure Flamingo

Imagem: Laura "abraçando" Asuka Takizawa.
Reprodução: Crunchyroll/Toei.

Enquanto Minori sofre para confiar em si próprio, Asuka Takizawa, a Cure Flamingo, é bem diferente. A primeira cena já mostra a mais velha das atuais precures muito segura de si, enquanto enfrenta um grupo de valentões para defender Manatsu. Claro, isso chama a atenção de Laura, que no dia seguinte tenta recrutá-la para a equipe de Tropical-Rouge!, mas Asuka não se impressiona com a sereia e recusa o convite.

Ter uma personagem que recuse inicialmente esse “chamado à aventura” é realmente empolgante em Precure (há alguns exemplos em temporadas passadas). Em geral, esse tipo de personagem é mais fechada até mesmo para suas amigas e conforme vai se abrindo, sua história vai se desenvolvendo de uma forma encantadora.

Isso parece ser o que poderemos esperar de Asuka. Além de ser muito fechada, ela também demonstra possuir uma leve rixa com a presidente do conselho estudantil (e novamente me vejo empolgado para ver como essa história vai evoluir). Tal inimizade (ou seria um afeto não correspondido?) pode ou não estar relacionada ao passado de Asuka como esportista, que nunca é citado, mas fica subentendido (assim como o fato de que provavelmente ela jogava tênis).

Asuka ainda não se abriu totalmente para ninguém, mas deixou Manatsu virar sua amiga e por isso decidiu se tornar a Cure Flamingo. Uma narrativa inicial forte e poderosa que mostra o valor da confiança e da amizade, algo que combina bem com a nossa última heroína.

Imagem: Cure Flamingo se transformando.
Reprodução: Crunchyroll/Toei.

No geral, vale citar que as transformações e ataques das duas últimas heroínas apresentadas são bastante particulares e divertidas (principalmente as de Papaya, que parece se tornar uma fruta antes de atacar) e se adequam perfeitamente às personalidades de cada uma.

Com o time todo apresentado, espero que o animê agora dê algum espaço para os vilões. Eles apareceram pouco até o momento, mas parecem ser bem engraçados e acompanhá-los pode ser tão interessante quanto seguir a trilha de Manatsu e suas amigas.


Tropical-Rouge! Precure é exibido pela Crunchyroll com legendas em português de forma simultânea com o calendário japonês. A empresa fornece ao JBox um acesso à plataforma. Confira todas as resenhas dos episódios aqui.


O texto presente nesta resenha é de responsabilidade de seu autor e não reflete necessariamente a opinião do site JBox.

Publicidade
close