Imagem promocional do mangá 'Act-Age'.

Tatsuya Matsuki, roteirista de ‘Act-Age’, é preso sob suspeita de “importunação sexual” de menor (atualizado)

Autor de ‘Act-Age’ teria tocado em duas estudantes do equivalente japonês ao Ensino Fundamental II “de forma inapropriada”.

Hoje (8), Tatsuya Matsuki, roteirista do mangá Act-Age, foi preso sob suspeita de crime análogo a “importunação sexual” de menor. O crime, nas leis japonesas, chama-se “obscenidade forçada” (tradução livre) e está presente no artigo 176 do Código Penal do Japão.

Dependendo da idade das vítimas, o crime até poderia até ser enquadrado como “estupro de vulnerável” pelas leis brasileiras (elas possivelmente têm menos de quatorze anos). Contudo, essa tipificação penal da lei japonesa também vale para importunação sexual de maiores, ou seja, não é um crime específico para menores de idade.

Segundo o relato policial dado à NHK, o mangaká teria se aproximado de uma garota do “Ensino Fundamental II” (chuugaku) e tocado nela “de forma inapropriada”, fugindo de bicicleta após o acontecimento. A garota foi à polícia e o relato foi analisado por meio de câmeras.

Além de corroborar a denúncia, as câmeras ainda teriam mostrado um suspeito parecido com Matsuki cometendo ato similar com outra garota da mesma faixa etária. Ainda de acordo com o jornal, o acusado teria admitido ser ele quando abordado pelos investigadores na delegacia.

O mangá é publicado na Shonen Jump, com ilustrações de Shiro Usazaki, desde janeiro de 2018. A equipe editorial da Jump já se pronunciou oficialmente sobre o caso:

“O departamento editorial está levando a sério a denúncia relacionadas a Tatsuya Matsuki, autor de Act-Age, mangá seriado na Shonen Jump. Após confirmação dos eventos, tomaremos medidas cabíveis. Pedidos desculpas por qualquer transtorno ou apreensão de nossos leitores.

 

08 de agosto de 2020. Departamento Editorial da Shonen Jump.”

Essa não é a primeira vez que um mangaká da Jump é acusado de crime envolvendo menores de idade. Em 2017, o autor de Samurai X (Rurouni Kenshin) foi preso e condenado por posse de pornografia infantil. Em 2002, o autor de Toriko (ele ainda não publicava essa obra na época) foi preso e condenado por favorecimento da prostituição infantil. Ambos voltaram a trabalhar na editora após os eventos.

Atualização 10/08:

O mangá foi oficialmente cancelado pela Shonen Jump. Saiba mais aqui.


Fonte: NHK, Jump

 

Publicidade
close