Digimon Adventure: Enfim, o Digimundo… Ou quase! | Episódio 3

Terceiro episódio de “Digimon Adventure:” não anda tanto com a trama, mas diverte com sequências bem animadas e um punhado de fanservice.

Atenção: o texto a seguir contém spoilers do terceiro episódio de ‘Digimon Adventure:’.


Anteriormente, em Digimon Adventure: (gravado assim mesmo, com os dois pontos): Taichi (Tai) estabelece uma conexão com Yamato (Matt) e, juntos, eles enfrentam o perigoso vírus que ameaça explodir a cidade de Tóquio com uma bomba de destruição em massa.

No terceiro episódio, enrolações…

OK, o subtítulo soou malvado, mas não é bem assim. Nesse terceiro episódio (assista aqui), de fato, o roteiro resolve dar uma enroladinha no enredo para que, a partir do próximo, aparentemente, as coisas comecem a andar numa nova fase. Felizmente, isso é feito de modo bem legal de assistir, com uma porção de cenas que divertem seja por sua qualidade técnica, ou por darem ao espectador aquilo que tanto querem ver.

Da parte de espetáculo técnico, somos presenteados com uma sequência de luta muito bem animada entre o Omnimon e o vírus logo em seu início. As batalhas nesse reboot estão muito fluidas, dá certo gosto de assistir personagens que conhecemos há tanto tempo, enfim, bem trabalhados numa proposta assim (convenhamos, as lutas da série original eram montadas com sequências padrões, repetidas episódio a episódio, e não há charme nostálgico que mascare isso).

E da parte de fanservice, algumas interações entre personagens diferentes podem ser destacadas: Taichi, Sora e Koshiro (Izzy) no acampamento, com esses dois últimos sendo oficialmente apresentados e um background da relação entre os dois primeiros começando a ser desenhado (bacana a Sora seguindo o Taichi mais pro fim do episódio, ansioso para ver como isso se aplicará no próximo); Hikari (Kari) agradecendo o Taichi quando chega em casa, indicando que ela tem noção do ocorrido na network e que interferiu ativamente na evolução final para Omnimon; Yamato e Takeru (TK) falando melancólicos ao telefone, confirmando que, novamente, eles estão em casas separadas; Joe dando esporro nas outras crianças, já sendo vendido de cara como o mandão imperativo que era no animê original.

 

Uma piscadela avulsa…

Mas, honestamente, rolaram umas decepções particulares quanto ao que foi “refeito” do desenho de vinte anos atrás aqui. Especificamente, achei que o uso do acampamento foi, ahn, decepcionante. Não que a trama atual deva dar a determinados signos do original a mesma importância contida neles (muito pelo contrário, é até melhor que caminhe para um local totalmente diferente), mas o acampamento dessa vez foi avulso demais dentro do roteiro.

Embora algumas das interações de personagens citadas mais acima tenham ocorrido nele, nada que tocasse a história para frente de verdade saiu dali. Soou como um filler de alguns minutos contido num episódio isolado. Em comparação, tivemos a batalha na network que salvou Tóquio e, mais ao fim, a cidade entrando em apagão para que  Taichi fosse ao Digimundo. Ambas “locações” cujos acontecimentos afetaram diretamente o andamento. Foi uma piscadela para os fãs das antigas ligeiramente inútil ao todo.

Mas o que vem depois parece empolgar…

A boa notícia é que, ao que tudo indica, a partir do próximo episódio as coisas devem andar a passos mais largos e no lugar mais interessante que a franquia tem a oferecer: o Digimundo. Taichi já está lá com o Agumon, a prévia no final mostra Sora e outros envolvidos na confusão. E para melhorar, o Digimundo não parece ser formado por cenários limitados, tais como os da network. Há um céu, há terra, água e outros digimons perambulando por lá. Grandes coisas estão por vir? Tomara que sim!

A má notícia é que, por conta do COVID-19, a Toei paralisou a exibição de Digimon Adventure: e outros de seus animês lá no Japão (leia aqui). Então, vai demorar para que nos aventuremos de verdade pelo Digimundo. Uma pena, mas é necessário.

Com transmissão simultânea ao Japão por aqui através da Crunchyroll, Digimon Adventure: (gravado assim mesmo, com os dois pontos), reboot do animê original de mesmo nome (mas sem os dois pontos), produzida pela Toei Animation, em 1999. Confira aqui.

Sinopse pela Crunchyroll:

É o ano de 2020. A Rede tornou-se algo indispensável para a vida dos humanos. Mas o que eles não sabem é que, por trás da Rede, existe um mundo de luz e trevas conhecido como o Mundo Digital, habitado pelos Digimons. Quando Taichi Yagami tenta salvar sua mãe e sua irmã, que estão a bordo de um trem desgovernado, ele entra na plataforma… e um estranho fenômeno o leva para o Mundo Digital. Ele e outros Digiescolhidos encontram seus parceiros Digimons e embarcam numa aventura em um mundo desconhecido!

O roteiro é assinado por Atsuhiro Tomioka, que já trabalhou em várias séries infantis como BuckyHamtaroSuper Onze Pokémon. No Japão, o animê substitui o horário de GeGeGe no Kitarou na FujiTV, série que se encerrou na última semana e também foi exibida por aqui pela Crunchyroll.


Aqui no Brasil, Digimon foi um fenômeno cultural. Trazida ao Brasil como forma de contra-ataque à mania Pokémon, a animação ganhou grande destaque na programação da Rede Globo a partir de julho de 2000, sendo exibido também pelo extinto canal pago Fox Kids. Dublada nos lendários estúdios da Herbert Richers (aposto que você leu com aquela entonação), foi um enorme sucesso comercial, rendendo inúmeros produtos estampados com a marca, como materiais escolares, alimentos, revistas, jogos e brinquedos.

Inspirado no popular Tamagotchi, Digimon surgiu em 1997 pela Bandai, como uma série de bichinhos virtuais que também podiam batalhar. Em 1999 a Toei Animation lançou uma série animada derivada, sob o título de Digimon Adventure.

Creditada a uma equipe criativa denominada como Akiyoshi Hongo, Digimon Adventure fez sucesso suficiente para render uma continuação no ano seguinte, com Digimon 02. Depois foi a vez de Digimon Tamers Digimon Frontier, séries que possuíam seus próprios enredos, sem dar continuidade às duas primeiras. Após uma pausa, o título voltou com mais uma série original em 2006, intitulada de Digimon Savers (Data Squad no Ocidente). Entre 2010 e 2012 foi a vez de Digimon Xros Wars (Fusion) e em 2016 chegou Digimon Universe: App Monsters.

Parte dos episódios da 1ª série foi lançada em DVD pela Focus Filmes. Atualmente, pode ser vista na íntegra com a dublagem original pelo serviço de streaming Looke. Entre 2015 e 2018, uma série de 6 filmes foi lançada, trazendo os personagens do animê original na adolescência. Chamada de Digimon Adventure tri., foi exibida aqui no Brasil com os filmes divididos em episódios de meia hora, através da Crunchyroll.

Publicidade
close