Um passeio pelos cancelamentos da Nintendo nos ‘Gigaleaks’ | Coluna Café & Matchá #3

Luigi em ‘Super Mario 64’, um MMO de ‘Pokémon’ em 2004… Tudo (tudo?) que a Nintendo cancelou na sua infância.

Histórias de cancelamentos de jogos são bastante comuns na indústria, afinal, começar um projeto e perceber que não rola, ou mudar de ideia, é normal, né? Algumas histórias são conhecidas, aquele terceiro Zelda para Game Boy Color que complementaria a série de Oracle of Ages e Oracles of Seasons – o Mystical Seeds of Courage, porque a trilogia originalmente seria formada pelos Mystical Seeds of Power/Wisdom/Courage. Ou aquele Earthbound (Mother) para Nintendo 64. Também aquele “Nintendo PlayStation”… Imagina um console conjunto da Nintendo e da Sony nos anos 1990?

Essas histórias são como “curiosidades curiosas”, sem muita importância real, afinal, sequer aconteceram. Todas essas as informações reveladas devem ser meros causos nas rotinas dos produtores: com certeza existiram muitos projetos, chatos ou incríveis, que ficaram para trás, sobre os quais talvez nunca saberemos.

Mas, para mim, cada uma dessas descobertas abre espaço para um momento de imaginação, no “mundo do que poderia ter sido”, a linha alternativa da indústria de jogos, com direito a fanfics para todos os lados. Quais foram os jogos que nós nunca pudemos jogar? Existiu algum “tio que morava no Japão” injustamente taxado de mentiroso por quebrar contratos de confidencialidade contando para os sobrinhos sobre projetos posteriormente cancelados? Será que um dia a Nintendo já pensou em criar o glorioso spin-off Ash VS Red?

Neste ano, além da inesperada e decepcionante volta da Nintendo para o Brasil, houve um grande vazamento de informações da empresa no 4chan. Acredita-se que hackers tenham invadido a empresa em 2018 e coletado 2 terabytes de informações, supostamente liberando algumas delas neste ano (3 gigabytes). O evento está sendo chamado de Gigaleaks pela mídia lá fora (eu chamaria de Teraleaks, mas paciência).

Seja como for, são muitas informações muito bem detalhadas para ser mera invenção de alguém, além de que alguns desses vazamentos já foram confirmados por desenvolvedores (embora a Nintendo mesmo não tenha dito nada, e provavelmente nunca vai). Pode até ter coisa falsa ali no meio, mas alguma base esses leaks têm. As informações mais chamativas são códigos-fonte de jogos famosos e consoles, mas uma série de rascunhos e projetos cancelados também estão lá.

Vamos comentar alguns deles aqui, os mais interessantes para mim. Como é muita coisa, não dá para falar de tudo, mas até gostaria.

 

Super Luigi 64

Uma das coisas mais legais desses leaks, na minha opinião, foi a descoberta de um modelo perdido do Luigi no Super Mario Bros. 64, ou Ultra 64 Mario Bros., nome cogitado pela Nintendo para o jogo e felizmente abandonado.

Durante os anos 1990, não faltavam relatos de crianças dizendo que “desbloquearam” o Luigi no jogo, a maioria (para não dizer todas) provavelmente apenas tentando contar vantagem para os amigos. Mas a brincadeira tinha um fundo de verdade porque a Nintendo realmente planejava incluir o Luigi como personagem jogável.

O próprio Shigeru Miyamoto já comentou sobre os planos de incluir o personagem. Ele foi primeiramente tirado por problemas de memória, mas ainda era cogitado em um mini-game. No fim, o motivo alegado para tirá-lo é que “imaginava-se que poucos jogadores teriam dois controles quando comprassem o console”. A novidade agora são os modelos do personagem no jogo:

Sinceramente, para mim teria sido muito bacana ver o Luigi no Mario 64, por ser um personagem que gosto bastante. Aqui em casa, era meu irmão mais velho e eu, então sempre fui o “Player 2”, aí… é, eu gosto do Luigi, né? Dá para ver que a coisa estava bem avançada quando decidiram tirar o personagem do game.

 

PokéMMOn

Aparentemente, o projeto do “PokéLoL” é um sonho já antigo da Nintendo. Segundo os vazamentos, bem antes de qualquer parceria com a Tencent, a Nintendo já esboçava a ideia em 2004, talvez antenada no sucesso daqueles primeiros MMO mais famosos, como Tibia, Ragnarok Online e GunBound, possivelmente até antes dos fãs começarem a pedir por isso com mais insistência.

A empresa chinesa iQue, cofundada pela própria Nintendo, teria criado um protótipo de Pokémon para Game Boy Advance com opção de jogar online, conectando o portátil em um computador. No modo offline, o jogador poderia pegar uns 30 Pokémons, mas o modo online traria mais possibilidades, utilizando o sistema de ovos. Analisando o clima da região por onde o jogador se conectaria, o game decidiria quais ovos apareceriam, haveria torneios onlines, entre outras coisas. Na thread do tweet abaixo, há mais informações:

Ocarina of Time: Ura Zelda

É sabido que a Nintendo planejava criar uma expansão para o Zelda: Ocarina of Time, conhecida como Ura Zelda, por meio do 64 Disk Drive, um periférico do console cujo fracasso foi tão retumbante que cancelaram basicamente todos os planos relacionados a ele, sendo lançado apenas no Japão. Poderíamos chamar o 64DD de 64 Derrota & Desastre.

Enfim, os vazamentos trazem materiais possivelmente planejados para a Ura Zelda, e/ou projetos iniciais descartados da versão final de Ocarina, como umas supostas “salas” de alguma coisa e um protótipo meio diferente da Floresta Kokiri.

Zelda: Adventure of Sangue?

Aparentemente, houve um projeto de jogo para continuar o Zelda II, mas há uma discussão se seria de fato um Zelda III ou um remake para o Satellaview, um periférico do Super Famicom visualmente muito parecido com o projeto do 64DD (embora funcionalmente diferente). Independentemente disso, o mais curioso nesse caso é que uma das imagens, contendo sprites do Link, inclui a espada cheia de sangue. Uau, o Dark Souls de Zelda.

Sangue em 'Zelda 3' ou o que seja.

Pokémon Picross Color

Em 1995, a Nintendo e a Jupiter lançaram Mario’s Picross para o Game Boy no Japão e a série ganharia algumas sequências. Em 1999, várias revistas japonesas de jogos começaram a promover um tal Pokémon Picross para o Game Boy Color, mas a Nintendo pelo jeito engavetou o projeto e fez o que faz de melhor: a egípcia.

O jogo aparentemente estava quase pronto, tornando ainda mais esquisita a decisão de cancelá-lo. Afinal, estamos falando da época em que Pokémon era uma febre inigualável, qualquer coisa com a série vendia como água. A Nintendo teve críticas positivas com um jogo de Pinball temático de Pokémon, sabe? Além de sucesso comercial o suficiente para fazer um segundo. Por que não um Picross?

Seja como for, o game nunca saiu e só agora temos algumas informações de como ele seria, como você pode checar no fio abaixo. Mas deixemos registrado que a Nintendo pagou sua “dívida” em 2015, lançando (um outro) Pokémon Picross para o 3DS.

Hello Kitty Impressora

Entre os vazamentos, está um jogo cancelado da Hello Kitty, Hello Kitty Pocket Camera, focado em funcionar junto com a impressora periférica do Game Boy. A ideia aparentemente é apenas criar cenas com personagens da franquia para imprimí-las. Pelo visto alguém teve bom-senso de dizer que isso seria um fracasso antes do lançamento?

Mirror House Sucrilhos

Entre os leaks, foi disponibilizado um gameplay de Mirror House Corn Flakes. Segundo usuários do Reddit, esse é um jogo-teste para os desenvolvedores do Nintendo 64, não um projeto real para ser levado a frente. O “jogo” abordaria um garoto perdido em um parque de diversões e com fome. Ele precisa coletar cereais matinais radicais e sair de labirintos, o jogo perfeito para uma parceria com o Tony da Kellogs.

Enfim, obviamente, por ser uma simples demo para testes, é tudo bem naquele estilo “não faço ideia de como programar um jogo em 3D”, mas sinceramente? Até poderia virar algo maneiro. A música é bacana, o personagem simpático, os labirinto são bobos e estão inacabados, mas também são só “um rascunho”. Se a Nintendo quisesse um dia criar uma franquia para o Flake, eu estou dentro.

 

Esses são alguns dos vazamentos dos Gigaleaks, como já dito antes, há muito mais já divulgado e, provavelmente, ainda por vir. Claro, muitos desses jogos talvez não fizessem qualquer diferença (oi, Hello Kitty que sequer seria lançada fora do Japão), mas é interessante pensar um pouco em como seria um Mario 64 com Luigi, um Zelda “maduro”, um jogo de coletar sucrilhos ou um PokéDotA bem no começo da popularidade dos MMO.

Os mais curiosos podem checar outras informações na IGN, Kotaku, Polygon, VideoGame Chronicles e internet afora para quem tiver paciência.

Publicidade
close