Protagonista de 'Act Age'.

Act-Age: Shiro Usazaki, ilustradora da série, posta nota sobre o cancelamento do mangá

Shiro se pronunciou com uma nota bastante comovente após o cancelamento de ‘Act Age’. A ilustradora não tem envolvimento com as acusações feitas ao roteirista da série.

Hoje (24), Shiro Usazaki postou um comunicado em seu Twitter sobre o cancelamento de Act-Age, decidido pelo editorial da Jump após o roteirista, Tatsuya Matsuki, ser acusado e preso por importunar duas adolescentes sexualmente.

Shiro era a ilustradora da série e não tem relação alguma com o caso. Logo após o ocorrido, ela apagou de suas redes que trabalhava na série, já indicando o choque com as notícias. Confira a nota:

Em tradução livre, a mensagem diz:

“Em 8 de agosto, Tatsuya Matsuki, criador e roteirista de Act-Age, foi preso e ainda está em detenção por importunar sexualmente duas garotas do Ensino Fundamental II.

Antes de mais nada, gostaria de dirigir palavras sinceras às vítimas e seus familiares. Apesar do grande choque e pânico, elas tiveram muita coragem e não se silenciaram ao ter sua dignidade ferida.

O julgamento ainda não ocorreu, mas o fato das vítimas terem denunciado, abrindo um inquérito que levou à prisão [de Matsuki], é muito importante.

 

Eu aceitei todas as decisões do Departamento Editorial da Jump relacionadas ao fim da publicação de Act-Age, desde os volumes já planejados até merchandising.

As feridas causadas por crimes sexuais não somem naturalmente. Daqui em diante, quando as vítimas encontrarem alguém parecido, vão ficar tensas, andar depressa, vão ter mais medo ao andar à noite, sentirão pânico e estresse mental que sequer deveriam ter.

Considerando que Act-Age possa fazê-las lembrar dessa dor, cancelar a obra é a decisão mais apropriada.

 

Quanto a todos os fãs da série, tenho um pedido a vocês.

Agradeço, de verdade, todo o apoio dado à Act-Age. É uma pena que a série tenha que ser encerrada agora, dessa forma.

 

Mas nunca dirijam as lamentações de vocês às vítimas.

Talvez seja óbvio, mas as vítimas não são responsáveis pelo fim da publicação. Elas não se calaram, suportaram a dor e não abaixaram a cabeça para abuso e crime sexual. Tomaram a decisão certa.

Desdenhar ou reclamar da coragem dessas ações, humilhar ou machucar essas garotas não é tolerável.

 

Eu entendo os sentimentos daqueles que foram salvos pelo mangá, que viviam por essa obra. O mangá também salvou minha vida. Não consigo sequer expressar o quão importante [o mangá foi na minha vida]. Mas esse amor não pode virar violência dirigida ao alvo errado. Por favor, reflitam um pouco, vejam pela perspectiva dos outros, não se deixem levar por fake news, escolham bem o que vão ou não dizer.

 

Por fim, espero, de coração, que cuidem bem das vítimas e que elas nunca mais passem por nada parecido.

 

24 de agosto de 2020

Shiro Usazaki”

 

Logo após o ocorrido, a Jump tomou providências e cancelou a obra. Diversos colegas e fãs se pronunciaram em solidariedade à artista, cujo nome chegou nos Trending Topics do Twitter logo após a prisão de Matsuki. Na semana passada, a Jump comunicou também a suspensão, por tempo indeterminado, de volumes e mercadorias da série, inclusive tirando-a do ar na MangaPLUS.

Essa não foi a primeira vez que um mangaká da Jump foi acusado de crime envolvendo menores de idade. Em 2017, o autor de Samurai X (Rurouni Kenshin) foi preso e condenado por posse de pornografia infantil. Em 2002, o autor de Toriko (ele ainda não publicava essa obra na época) foi preso e condenado por favorecimento da prostituição infantil.

Ambos voltaram a trabalhar na editora após os eventos, embora o mangá que Shimabukuro publicasse na época tenha sido cancelado e ele tenha voltado a trabalhar na editora após alguns anos. Já Watsuki manteve a publicação de Samurai X.


Fonte: Shiro Usazaki

 

Publicidade
close